Mídias Sociais

Cidades

Unidades de ensino de Cabo Frio recebem Projeto Escola Acessível

Thaiany Pieroni

Publicado

em

 

Dezesseis escolas da rede municipal de ensino de Cabo Frio foram escolhidas para receberem o Projeto Escola Acessível do Ministério da Educação (MEC). As unidades escolares irão receber auxílio financeiro, que varia entre R$ 8,6 mil e R$ 12,5 mil, para criação de uma sala de recursos. A sala tem o intuito de receber alunos com deficiências motoras ou psicossociais, com atendimento personalizado para suas necessidades.

As Escolas contempladas são: Escola Municipal Araçá; Escola Municipal de Educação Infantil Professora Anita Teixeira da Silva; Escola Municipal Professora Cláudia Muzio Freitas de Oliveira; Escola Municipal de Educação Infantil Cladyr da Rocha Mendes; Creche Escola Municipal Maria Emília dos Santos Castro; Creche Municipal Professora Maria Quitéria da Costa Ribeiro; Escola Municipal Professor Oswaldo Santa Rosa; Escola Municipal de Educação Infantil Vovó Cinha; Escola Municipal Waldemira Thereza de Jesus; Creche Escola Municipal Professora Wanda Maria Nogueira Gonçalves; Escola Municipal Professora Leomari Garcia Barreto; Escola Municipal Francisco Franco; Escola Municipal Professora Amélia Ferreira; Escola Municipal Professora Marília Plaisant; Escola Municipal Pedro Jotha e Escola Municipal Professor Zélio Jotha.

A Escola Municipal de Educação Infantil Cladyr da Rocha Mendes está entre as contempladas. A diretora Claudia Soares se mostrou animada com o projeto. “Vai ser um recurso a mais para atender nossos alunos e a própria comunidade”, destacou.

Através do projeto, o MEC será responsável por enviar e prover os materiais, equipamentos e mobiliários especiais para o atendimento do deficiente. Já a Secretaria Municipal de Educação irá capacitar os professores para que eles possam realizar o atendimento nas unidades escolares. Esse projeto também irá abraçar as famílias de crianças especiais, ajudando-as na tarefa de alfabetizar o aluno.

O professor pedagogo responsável pela sala de recursos atenderá os alunos em horários marcados, analisando a disponibilidade dele para acompanhamento educacional. Caso seja necessário, a escola pode usar a verba disponibilizada para construção ou reforma de uma sala específica.

A gerente da Educação Especial da SEME, Karla Medeiros, ressalta a importância da sala de recursos para o estudante com deficiência. “O trabalho possibilita uma melhora na autonomia, aprendizagem e socialização do aluno”, enfatiza.

 

 

Mais lidas do mês