Mídias Sociais

Política

Governo do Rio anuncia que pretende oferecer ensino integral em turmas de 56% das escolas da rede pública estadual em 2020

Avatar

Publicado

em

 

Mais da metade das escolas da rede pública estadual de ensino do Rio de Janeiro terão turmas de ensino médio em turno integral em 2020. Esta foi a previsão apresentada pela Secretaria Estadual de Educação em audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj).

Segundo a pasta, serão 56% das escolas, número que corresponde a 583 unidades da rede, representando um aumento de 117% em relação ao ano corrente. Ao todo, serão 2.159 turmas, com capacidade 75.567 alunos no ano que vem.

Os dados foram apresentados pela subsecretária estadual de Educação, Ana Paula Velasco, à uma comissão especial da Alerj destinada acompanhar a implementação do turno único de no mínimo 7 horas em toda a rede estadual, medida estabelecida pela Lei 8.367, de 2019.

De acordo com a subsecretária, para fazer essa ampliação, foi lançado em julho o Programa Escola pra Vida, em parceria com a Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC), o Instituto Trevo, os consulados do México e do Equador, entre outras entidades.

Segundo Ana Paula Velasco, a oferta no horário integral se dará com atendimento de cursos profissionalizantes na matriz curricular de 283 escolas e de cursos de formação inicial e continuada (FIC) em 374 escolas, em 2020, oferecendo aos 92 municípios fluminenses unidades escolares com turmas de tempo integral.

“O programa pretende institucionalizar e tornar perene o horário integral no ensino médio. Hoje, nossos jovens precisam de uma melhor formação e o turno integral vai proporcionar a eles uma melhor inserção no mercado de trabalho ou na universidade”, afirmou a subsecretária. “A secretaria trouxe uma apresentação muito esclarecedora, em que demonstra realmente o interesse em ampliar a oferta de turmas em tempo integral”, avaliou o presidente da comissão, deputado Sérgio Fernandes (PDT).

De acordo com a secretaria, há ainda previsão de escolas com ensino diferenciado na rede pública estadual com início em 2020, sendo 3 unidades com ênfase no esporte, uma delas em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), e outras duas escolas interculturais, a partir da colaboração com os consulados do México e do Equador.

A subsecretária concluiu revelando que o projeto inclui a instalação de aproximadamente 30 escolas cívico-militares, atendendo ao anunciou do Ministério da Educação (MEC), em julho desse ano, de que lançaria 108 escolas nesses moldes até 2023, modelo que ainda divide opiniões de especialistas.

Mais lidas da semana