Mídias Sociais

Política

Deputado federal de Macaé entra na luta para revogar decisão do governo de excluir profissões da cultura do MEI

Avatar

Publicado

em

 

Os profissionais da cultura em todo o país ganharam o apoio do deputado federal Felício Laterça (PSL-RJ), que está tentando sustar uma resolução do Conselho Gestor do Simples Nacional que visa retirar 14 atividades profissionais, entre elas algumas ligadas às artes e a cultura, do registro de Microempreendedor Individual (MEI).

O anúncio foi feito após publicação de resolução do Ministério da Economia, do ministro Paulo Guedes, no último sábado, 7, e causou enorme repercussão negativa entre os profissionais do meio cultural, fazendo com que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) revogasse a medida para 2021.

Entre as profissões da cultura listadas na medida estão as de canto/músico independente, DJ ou VJ, e humorista e contador de histórias, onde se registram atores, por exemplo, além de instrutor de arte e cultura, instrutor de artes cênicas, instrutor de música e proprietário de bar com entretenimento.

Na lista há ainda a exclusão de outras profissões, como de astrólogo, esteticista, instrutor de cursos gerenciais, instrutor de cursos preparatórios, instrutor de idiomas, instrutor de informática, e professor particular.

A assessoria do deputado lembra que, de acordo com dados divulgados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em setembro, a exclusão atingirá 611 mil profissionais da área cultural brasileira, diretamente.

Para o parlamentar, que tem forte base eleitoral na região e é presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Cultura e do Desenvolvimento Social na Câmara Federal, a medida representa um retrocesso e pode  abrir caminhos para a informalidade de trabalhadores, inclusive, no aumento das taxas de desemprego.

“Essas pessoas saíram da informalidade e ajudam a mover a economia, afinal, o governo passou a recolher impostos desses profissionais. Ao excluir essas atividades, a resolução está devolvendo a informalidade e precarização do trabalho de cada um deles, medida contrária ao desenvolvimento que almejamos”, criticou Felício Laterça.

O deputado federal ressaltou ainda a necessidade do Executivo dialogar sobre a pauta com o Legislativo. Antes da proposta de revogação da medida, o presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) chegou a afirmar, em sua conta no Twitter, que se posicionaria contra a medida.

Em entrevista ao site da revista Exame na última segunda-feira, 9, Rodrigo Maia avisou que o presidente do Senado, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), iria pautar a revogação da medida, e que a Câmara seguiria o Senado, o que foi feito por Felício Laterça.

Através de sua assessoria, o deputado federal reforçou que a Câmara deve acelerar a apreciação da matéria para evitar que a resolução do governo prospere e acabe prejudicando milhares de profissionais.

Mais lidas da semana