Mídias Sociais

Destaque

Tribunal de Contas do Estado do Rio emite parecer contrário às contas de Conceição de Macabu

Publicado

em

 

Contas do Prefeito Cláudio Linhares são referentes ao exercício de 2016

Tunan Teixeira

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) emitiu, nesta quinta-feira, 5, parecer contrário às contas do Prefeito de Conceição de Macabu, Cláudio Linhares (PMDB), referentes ao exercício de 2016.

Segundo o TCE-RJ, as contas do prefeito, que foi reeleito em outubro do ano passado, o cancelamento de restos a pagar, a saída de recursos federais sem comprovação, e repasses ao Legislativo, seriam as irregularidades identificadas na análise dos conselheiros do Tribunal.

O cancelamento, sem justificativa, de restos a pagar processados seriam no valor de R$ 19.608,05, enquanto o problema nos repasses à Câmara Municipal, é que eles teriam ficado abaixo do limite constitucional, totalizando R$ 2.704.820,89. A saída de receita sem comprovação seria no valor de R$ 30.198,09, dinheiro que vem das contas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB).

As irregularidades foram registradas pela relatora do processo, a conselheira substituta, Andrea Siqueira Martins. O parecer prévio segue para a Câmara Municipal de Macabu para a decisão final sobre as contas, que podem ser aprovadas ou rejeitadas pelos vereadores.

Andrea Martins ainda destacou que no 2º quadrimestre do ano passado, o prefeito chegou ultrapassar o limite de 54% da Receita Corrente Líquida com a folha de pagamento dos servidores, descumprindo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O gestor conseguiu regularizar a situação no quadrimestre seguinte, mas o Corpo Técnico alertou para que o “chefe do Poder Executivo adote as medidas necessárias à contenção e redução das despesas com pessoal”.

As verbas mínimas de investimento em Saúde e Educação foram atingidas, mas a relatora apresentou 3 recomendações e 17 impropriedades.

Um delas foi a diferença entre a previsão de arrecadação de R$ 82.092.921,35 e a receita registrada de fato, que foi de R$ 67.799.900,56. A variação de 17,41% (R$ 14.293.020,79) fez com que o Corpo Técnico verificasse “que o orçamento para o exercício de 2016 foi superestimado”.

Foto: Reprodução

Mais lidas da semana