Mídias Sociais

Política

Profissionais da rede pública municipal de Saúde falam sobre crescente número de suicídios em Macaé

Publicado

em

 

À esquerda na foto, Presidente da Câmara Municipal de Macaé, Dr. Eduardo Cardoso (PPS) questionou as profissionais sobre preparação dos servidores da Saúde, em especial da Atenção Básica, para atender esses pacientes

Atendendo a um requerimento do vereador Maxwell Vaz (SD), aprovado em plenária, há algumas semanas, a Câmara Municipal de Macaé recebeu nesta quarta-feira, 26, a presença das profissionais Dra. Deborah Casarsa e Dra. Cíntia Losada, para tratar do delicado tema do suicídio, que tem crescido no município.

Profissionais de diferentes áreas da saúde mental da rede pública municipal, Dra. Deborah e Dra. Cíntia falaram sobre as particularidades dos casos, e explicaram que o suicídio é um sintoma gravíssimo de outras doenças mentais, como depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, entre outras.

Coordenadora de Assistência em Saúde Mental do Pronto Socorro do Parque Aeroporto, Dra. Deborah Casarsa foi a primeira a utilizar do tempo disponível pela presidência da Casa durante o Grande Expediente da sessão desta quarta para falar sobre o assunto.

Segundo ela, o tema é preocupante e os casos têm aumentado na cidade, mas a rede pública do município vem se preparando para atender aos pacientes, embora ela admita que ainda falta um maior cuidado justamente dos profissionais responsáveis pelo atendimento.

Todavia, ela, que veio de Campos dos Goytacazes há pouco mais de 1 mês, acredita que apesar das dificuldades encontradas, o município possui profissionais capacitados para lidar com os casos na cidade.

Profissional da Atenção Básica de Saúde no Núcleo de Saúde Mental da Família (NASF), a Dra. Cíntia Losada revelou que a unidade busca atender a chamada “ponta”, fazendo atendimento mais próximo das residências das famílias.

Segundo ela, o NASF atende comunidades como Malvinas, Lagomar e São José do Barreto, levando assistência para pessoas das comunidades mais carentes da cidade, onde o número de casos também têm aumentado, assim como em todo município.

“O índice de suicídios vem aumentou muito nesses 30 anos em que eu atuo na área de saúde mental e eu posso garantir para vocês que existem casos em vários âmbitos e eles estão mais perto do que a gente imagina”, revelou Dra. Cíntia.

A psicóloga ressaltou ainda os perigos de certos discursos retrógrados que tratam do assunto como se as pessoas com este sintoma, do suicídio, fossem apenas pessoas “sem Deus” ou “que não foram bem educadas em casa”.

Para ela, o problema ainda é grave justamente pela falta de informação e orientação, tanto da população quanto de parte dos próprios profissionais de saúde, que muitas vezes falham em identificar o problema.

Também profissional da área da Saúde, mas já aposentado, o Presidente da Câmara, Dr. Eduardo Cardoso (PPS), questionou as médicas sobre a preparação dos profissionais de saúde, lembrando que muitas deles não dão atenção necessárias às queixas dos pacientes, e cobrando ações para preparar melhor estes profissionais, principalmente na Atenção Básica.

“Falta essa orientação também para as famílias, falta essa orientação nas escolas, mas a Atenção Básica do município está começando a ficar mais orientada, até porque o número de casos está aumentando no Brasil e também no município. As escolas não estão divulgando, mas a gente que trabalha nos postos, nas comunidades, a gente sabe. Dentro do município, estamos nos preparando para melhorar o atendimento desses casos, que já são casos de saúde pública, para que esse quadro não piore ainda mais. Isso não é frescura, não é besteira, é sério, é doença e pode ser tão grave quanto um câncer”, concluiu Dra. Cíntia.

Por fim, Dr. Eduardo pediu que, em breve, o vereador Maxwell Vaz reapresente requerimento para que este tema volte a ser abordado na plenária da Câmara, ao que o líder da oposição citou a preocupação de outro vereador, Robson Oliveira (PSDB).

“É muito importante que esse debate não fique apenas no âmbito da campanha Setembro Amarelo, porque, como disse o vereador Robson, o mês de setembro acaba, mas os casos de suicídio continuam, e até aumentam. Eu me comprometo a reapresentar esse requerimento para que possamos trazer esse debate novamente a esta Casa”, garantiu Maxwell.


 

Mais lidas do mês