Mídias Sociais

Política

Primeira sessão ordinária de 2019 na Câmara de Macaé é marcada por mudanças na composição partidária da Casa

Avatar

Publicado

em

 

Com o mais novo vereador da Casa, Reginaldo do Hospital (foto), se juntando a Cesinha, PROS supera o PPS e passa a ser segundo maior partido no Legislativo macaense, igualado ao PTC, e atrás apenas do MDB

A Câmara Municipal de Macaé retornou nesta terça-feira, 19, com suas sessões ordinárias, sua nova Mesa Diretora, e duas caras novas, como as dos vereadores Reginaldo do Hospital (PROS) e Luciano Diniz (MDB), sendo uma delas, nem tão nova assim, já que Luciano esteve em outras oportunidades com mandato no Legislativo.

Com a saída de Welberth Rezende (PPS) para a Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), o vereador Robson Oliveira (PSDB) passou de suplente a titular, herdando a suplência o próprio Reginaldo, 5º mais votado na coligação PPS, PROS e PSDB.

Com as mudanças ocorridas desde as eleições, após 2 vereadores serem afastados acusados de peculato, Neto Macaé (PTC) e Zé Prestes (PPS), 1 vereador retornando ao Executivo, Guto Garcia (MDB), que reassumiu a Secretaria de Educação, e outro eleito deputado estadual, a composição do Legislativo macaense apresenta alterações.

Se o MDB, de Paulo Antunes, Julinho do Aeroporto, George Jardim, Dr. Márcio Bittencourt e Diniz, e ex-partido do Prefeito Dr. Aluízio (sem partido), segue como a sigla de maior bancada na Casa, com 5 vereadores.

Já o PPS, que havia conseguido 3 cadeiras após as eleições, com Zé Prestes, Welberth e o presidente da Câmara, Dr. Eduardo Cardoso (PPS), perdeu a segunda posição para o PTC, que manteve seus 2 parlamentares, Dr. Luiz Fernando e Cristino Gelinho, que assumiu na vaga de Neto; e para o PROS, que ganhou a presença de Reginaldo para fazer companhia a Cesinha.

Os demais partidos, PSC, de Renata Paes; PSDB, de Robson Oliveira; PT, de Marcel Silvano; SD, de Maxwell Vaz; REDE, de Marvel; PHS, de Val Barbeiro; e PRB, de Alan Mansur; assim como o PPS, de Dr. Eduardo; possuem apenas 1 vereador cada representando as siglas na plenária macaense.

Mais lidas da semana