Mídias Sociais

Política

Oposição esvazia votação na Câmara de Macaé depois de ter requerimento rejeitado pela bancada governista

Avatar

Publicado

em

 

Líder da oposição, Maxwell Vaz (SD), de costas, no alto da imagem, abandona plenária, assim como toda sua bancada, esvaziando sessão após derrota em votação de requerimento convocando vereador licenciado e secretário de Educação, Guto Garcia (MDB)

Em uma disputa de egos, a bancada da oposição da Câmara Municipal de Macaé se retirou da plenária durante votação de um requerimento verbal do vereador Cesinha (PROS), esvaziando e encerrando a sessão ordinária desta terça-feira, 16, por falta de quórum.

O requerimento propunha um convite do vereador licenciado e atual secretário de Educação, Guto Garcia (MDB), para que ele pudesse explicar aos vereadores o não cumprimento, por parte da pasta, de lei que versa sobre a inclusão atividade da capoeira na rede pública municipal de ensino.

Minutos antes, um requerimento convocando Guto com a mesma finalidade, de autoria do vereador de oposição, Marvel (REDE), também autor da lei em questão, havia sido rejeitado em votação de decretou vitória da maioria governista na Casa, o que irritou os oposicionistas, que se negaram a votar e esvaziaram a sessão.

“Agora está entendida a estratégia da oposição, que na realidade, se eles quisessem esclarecimento, estariam aqui para ter o convite. Agora, eles saindo, nós não vamos poder isso aqui hoje. Quer dizer, eles não querem. Eles queriam mostrar poder de força, de ganhar. Como não iam ganhar, saíram do plenário para simplesmente não haver a votação, que a gente não vai poder votar hoje, porque vai encerrar o expediente. Então, mostrar que na realidade eles querem mostrar força. Eles não estão interessados se vai ter capoeira ou não na escola. Eles querem mostrar força”, disparou o vereador Dr. Márcio Bittencourt (MDB), chamando a oposição de arrogante.

O vereador, que respondeu pela liderança da base do governo na ausência do líder, Julinho do Aeroporto (MDB), cargo que, aliás, já ocupou no início da atual legislatura, já havia pedido durante a votação do requerimento de Marvel que o autor trocasse a convocação por um convite, o que foi considerado afrontoso pela oposição.

“Acho que foi uma decisão que eu não sei; nós não temos mais número para votar, então, nem o convite do vereador Cesinha. Eles estavam tão interessados na presença do vereador Guto aqui, que ia decidir tudo aqui, e eles não quiseram votar. Eles não, os colegas vereadores. E também estão no direito deles, não querer votar. Mas também passa a dar à situação um novo argumento até de esvaziar na hora em que eles tiverem uma votação importante, o que a situação não tem feito. Rotineiramente fica aqui, discute e vota. Mas eles acabaram de dar mais uma arma. Retira e no dia que tiver um negócio interessante, sai todo mundo e não tem votação. Não é habitué fazer isso aqui nessa Casa. Habituado aqui é [ser] uma Casa de discussão. Perder ou ganhar faz parte disso aqui. Mas quando começa a esvaziar a Casa assim, dá também uma chance de que se faça quando a matéria for deles também. O que não foi feito. Ficamos aqui, discutimos o requerimento do vereador Marvel e votamos o requerimento do vereador Marvel. Votamos não! Eu continuo sem votar, eu não voto. Alguém mais quer fazer uso da palavra, falar sobre a matéria? Então, não tendo mais nada a tratar e não tendo número para votar, em nome de Deus, dou por encerrada a sessão na manhã de hoje”, concluiu o presidente da Câmara, Dr. Eduardo Cardoso (PPS), finalizando os trabalhos.


 

Mais lidas do mês