Mídias Sociais

Política

Em reunião em Brasília, setor aéreo garante reposição da frota de olho na temporada de verão

Avatar

Publicado

em

 

Durante o último dia da 16ª edição do Fórum de Líderes da Aviação, maior evento do setor aéreo da América Latina, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, se reuniu com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a Secretaria de Aviação Civil (SAC) do Ministério da Infraestrutura, a Associação Latino-Americana do Transporte Aéreo (ALTA), além de outras autoridades e algumas empresas aéreas brasileiras para tratar da conectividade no país.

No encontro, que aconteceu nesta semana, as companhias anunciaram que a malha aérea nacional estará totalmente reposta até janeiro de 2020 e que será a maior frota durante a temporada de verão desde 2015.

O ministro Marcelo Álvaro Antônio comemorou a notícia e ressaltou que a reposição da malha aérea impacta diretamente no preço das passagens, além de comentar as medidas do atual governo em benefício dos empregadores.

“Esse anúncio reflete as medidas assertivas tomadas por este governo que tem o objetivo de desburocratizar e facilitar a vida de quem empreende e gera emprego no Brasil. Aumentar a oferta de voos vai garantir a qualidade do serviço e trazer um preço mais justo aos consumidores. Dessa forma, vamos conseguir melhorar e fomentar o turismo interno e internacional”, entende o ministro.

O presidente da Gol Linhas Aéreas, Paulo Kakinoff, explicou que o mercado da aviação civil ficou defasado após a saída da Avianca do mercado no início deste ano e que as empresas tiveram que se adaptar para minimizar a crise.

“As empresas aéreas remanescentes conseguiram absorver o impacto de milhares usuários sem voos. Não deixamos nenhum cliente desamparado. Isso só foi possível graças ao apoio do governo que agilizou a flexibilização de processos burocráticos para que conseguíssemos realocar os viajantes da melhor forma”, explicou Kakinoff.

Com a saída da Avianca do mercado nacional, 26 de suas rotas acabaram herdadas pela VoePass, como prefere ser chamada a Passaredo, que nesta semana começou a operar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com uma das rotas ligando a capital paulista a Macaé.

A companhia aérea também passou a operar novos voos em rotas regionais no interior de São Paulo, de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, contribuindo para o aumento da frota brasileira e da oferta de voos.

No encontro, o diretor executivo da companhia, Eduardo Busch, atribuiu a ampliação da oferta de voo à redução do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e à reposição dos slots, termo usado na aviação para se referir ao direito de pousar e decolar em aeroportos congestionados.

O presidente da ABEAR, Eduardo Sanovicz, reforçou que o encontro foi realizado para agradecer o trabalho e o apoio do governo federal, do ministro do Turismo e do Congresso Nacional junto ao setor de aviação.

“O ano de 2019 teve uma agenda muito rica no ambiente regulatório e no parlamento. Debatemos capital estrangeiro, desregulamentações da prestação de serviço, como no caso do transporte de bagagens, ICMS, e em todos esses momentos contamos com o empenho destas lideranças”, completou Sanovicz.

Entre as medidas que beneficiaram o setor estão a revisão da tributação do querosene de aviação (QAV), o desenvolvimento da aviação regional, o novo Código Brasileiro de Aviação (CBA), e a judicialização no setor aéreo, que também foram temas abordados no encontro.

Na ocasião, foram entregues ainda os convites da cerimônia de premiação do Prêmio ABEAR de Jornalismo e Prêmio ABEAR Spotters, que terá o tema focado no turismo e será realizado na próxima quarta-feira, 6 novembro, em Brasília.

Também participaram do encontro o secretário nacional de Integração Interinstitucional do Ministério do Turismo, Bob Santos; o senador e vice-presidente da Câmara dos Setores Aéreo e Aeroportuário da Frente Parlamentar Mista de Logística de Transportes e Armazenagem, Antônio Anastasia (PSDB-MG); o diretor de Relações Externas da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), Marcelo Pedroso; o secretário nacional de Aviação Civil (SAC), Ronei Glanzmann; o presidente da companhia aérea TwoFlex, Rui Aquino; o presidente da Latam Brasil, Jerome Cadier; e o diretor executivo da ALTA, Luis Felipe de Oliveira.

Mais lidas da semana