Mídias Sociais

Política

Crise financeira atinge a todos em Cabo Frio, nem os mortos escapam

Avatar

Publicado

em

 

A crise que assola Cabo Frio parece não ter fim. Se todos os problemas que já aconteceram na área da saúde, educação, política e no funcionalismo público não fossem suficientes, agora até o serviço funerário está causando transtornos para a população. A prefeitura disponibilizava um serviço funerário em duas casas funerárias da cidade, para quem não possui condições de pagar pelo enterro de seu ente querido. Disponibilizava, porque até esse serviço, tão básico e importante, mais pelo momento em que as famílias precisam dele do que pelo valor financeiro, deixou de ser realizado pela prefeitura. As duas funerárias que prestavam o serviço estão sem receber há meses, e por isso, o serviço não é realizado.

A alegação é, ainda, a grave crise financeira que se instalou na cidade. Mas o mais grave nessa situação não é o fato da prefeitura não prestar mais o serviço funerário para quem precisa, e sim, disponibilizar um jazigo para uma pessoa que ainda está viva. Enquanto muitas pessoas enfrentam dificuldades para realizar o enterro de seus familiares em paz, a prefeitura de Cabo Frio doou um jazigo no Cemitério Jardim dos Eucaliptos, no Jardim Esperança, para uma mulher de 68 anos, moradora de São Pedro da Aldeia, que está viva.

Erilda Sampaio, moradora do Baixo Grande, é a beneficiada com o jazigo. Ela participou da gravação do programa do Rodrigo Faro, da TV Record, Ela organiza há cerca de 20 anos como vai ser o funeral dela. Ela já escolheu até o modelo do convite, os doces e as lembrancinhas da cerimônia. Por esse motivo, ela foi convidada a participar do programa “Hora do Faro”. Dona Erilda possui até um caixão personalizado e tem todo o cronograma do funeral montado, só o que faltava era o local para realizar o enterro. Não falta mais.

Em virtude da presença da equipe do programa do Rodrigo Faro em São Pedro, a prefeitura de Cabo Frio enviou um representante para a cidade para fazer a doação do jazigo no Cemitério do Jardim Esperança para Dona Erilda, que ficou muito feliz com o presente.

Essa atitude da prefeitura de Cabo Frio seria louvável, se a situação da cidade não fosse de caos completo. Enquanto muitas famílias esperam até dois dias para conseguirem enterrar seus parentes, a prefeitura disponibiliza um jazigo para uma pessoa que ainda está viva, e que nem reside em Cabo Frio. E os problemas não param por aí, há tempos o Diário da Costa do Sol noticiou o grave problema que é a falta de vagas nos cemitérios de Cabo Frio (Jardim Esperança e Santa Izabel), além das precárias condições que os trabalhadores desses cemitérios enfrentam, como falta de material básico (luvas, botas, e ferramentas).

Essa situação poderia estar amenizada se alguns projetos de Dr. Adriano tivessem sido colocados em prática pelo Poder Executivo. O vereador fez algumas indicações e Projetos de Lei que poderiam ajudar a solucionar esses problemas no serviço funerário. Como a indicação que ele fez para que seja criado um crematório municipal. A criação de um crematório na cidade de Cabo Frio iria diminuir consideravelmente a quantidade de enterros, e assim, sobrariam mais vagas disponíveis.

Outra proposta do vereador Dr. Adriano foi a reforma do necrotério, o que iria proporcionar um aumento na capacidade da unidade. Essas indicações são de 2014 e foram todas aprovadas pela Câmara, mas ainda não foram outorgadas pelo Poder Executivo. Mais uma prova da má administração do atual governo, pois indicações, ideias e projetos de lei para melhorar a vida da população há, o que falta é boa vontade para colocá-las em prática.

Dr. Adriano falou sobre esse episódio da doação do Jazigo, e sobre seus projetos não terem sido aproveitados: “Vejo esse fato com muita tristeza, pelo fato do prefeito estar dando atenção a esse caso por estar na mídia. Mas o que a mídia deve procurar saber: é das condições da cidade, dos salários atrasados, das condições do necrotério e da superlotação dos cemitérios. Tudo isso eu alertei em 2014, todas essas condições do sistema funerário poderiam estar diferentes se os meus projetos fossem colocados em prática pelo Executivo. Por isso que eu sou pré-candidato a prefeito, para mudar essa situação. O povo precisa ser tratado com respeito” – finaliza ele.

Mais lidas da semana