Mídias Sociais

Política

Contas de 2016 do ex-prefeito de Casimiro de Abreu serão reavaliadas pela Câmara por decisão judicial

Avatar

Publicado

em

 

À direita, ao lado do Prefeito Paulo Dames (PSB), ex-presidente da Câmara Municipal de Casimiro, Rafael Jardim (PSB), é um dos vereadores afastados pelas investigações de esquema de corrupção na cidade

Vivendo um caso politicamente, com diversos vereadores e um ex-prefeito envolvidos em esquema de corrupção, o município de Casimiro de Abreu se prepara para mais um capítulo da votação das contas da prefeitura no exercício de 2016.

Aprovadas em abril deste ano, as contas terão que ser reavaliadas por decisão do juiz da Vara Única do município, Rafael Ribeiro Alves, que determinou que os vereadores discutam e votem novamente o parecer prévio contrário emitido pelos conselheiros substitutos do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ).

Preso pela segunda vez preso em menos de 30 dias, o ex-prefeito Antônio Marcos (PSC) foi o gestor responsável pelas contas que geraram grande polêmica na cidade, com o afastamento de 4 vereadores.

Entre eles, estão Bitó (PSC), Bruno Miranda (PSB), Rafael Jardim (PSB) e Neném da Barbearia (MDB), que foram substituídos por Carlos de Itamar (PSL), Dadinho (PSC), Tiago Magalhães (PSC) e Victor de Doca (PSB).

O afastamento dos parlamentares e a prisão do ex-prefeito se deram depois que o vereador Neném da Barbearia denunciou ao Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) uma tentativa de compra de votos dentro da Câmara Municipal justamente na apreciação das contas do último ano do segundo mandato de Antônio Marcos.

Segundo os relatos do vereador afastado e de áudios vazados de conversas gravadas entre os envolvidos, os vereadores Bruno Miranda e Rafael Jardim teriam oferecido quase 100 mil reais para que o parlamentar emedebista faltasse a sessão do dia 11 de abril, que terminou com a rejeição do parecer do TCE-RJ e a aprovação das contas de Antônio Marcos por 9 a 3.

A intenção dos vereadores, que fazem parte do mesmo grupo político do Prefeito Paulo Dames (PSB), era derrubar as contas e complicar a vida política do rival da atual gestão. O denunciante acabou afastado também porque os investigadores estranharam a demora de Neném para fazer a denúncia. O caso ainda segue sob investigação.

Mais lidas da semana