Mídias Sociais

Destaque

Com a prisão de Moreira Franco na Lava Jato, todos os ex-governadores eleitos do Rio ainda vivos já foram presos

Bertha Muniz

Publicado

em

 

Anthony e Rosinha Garotinho respondem em liberdade. Já Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão seguem presos.

 O estado do Rio de Janeiro bateu mais um recorde negativo nesta quinta-feira (21). Com a prisão de Moreira Franco, todos os governadores eleitos do Rio que estão vivos já foram ou estão presos. Moreira Franco, preso nesta tarde na operação Lava Jato, governou o Rio entre 1987 e 1991.

O casal Anthony Garotinho, governador entre 1999 e 2002 e Rosinha Garotinho, governadora entre 2003 e 2007, integram a lista dos ex-presidiários. Ambos foram presos em novembro de 2017 por crimes eleitorais e respondem em liberdade.

Já Sergio Cabral Filho, o que ficou mais tempo no cargo de governador, entre 2007 e 2014 e Luiz Fernando Pezão, que já foi vice de Cabral, e ficou no poder entre 2014 e 2018, seguem presos. Pezão foi preso em novembro de 2018, poucos dias antes do fim do seu mandato.

Ele recebeu voz de prisão dos agentes da força-tarefa da Lava Jato no Palácio Laranjeiras, residência oficial do chefe do estado.  Atualmente, Pezão está preso no Complexo Prisional da Polícia Militar do Rio de Janeiro, em Niterói.

Já Cabral foi preso em novembro de 2016, suspeito de receber propina para a concessão de obras públicas. Cabral segue preso e está na penitenciária de Bangu 8. O ex-governador é condenado na Lava Jato e réu em 28 processos. As condenações de Cabral somam 198 anos e 6 meses de prisão.

Dos eleitos desde a fusão, apenas Brizola (1983-1987, 1991-1994) e Marcello Alencar (1995-1999) nunca foram presos, mas o filho de Alencar foi denunciado por estelionato em 1994.

Vale ressaltar que desde a fusão, quatro vices assumiram o mandato de governador. Nilo Batista (1994-1995), quando Brizola foi candidato a presidente. Hoje Nilo mantém o trabalho de advogado, de professor de direito Penal e voltou recentemente à mídia por ser advogado de Régis Fitchner, secretario da Casa Civil no governo Cabral.

Mais lidas da semana