Mídias Sociais

Política

Alerj ainda vive clima de luto pela morte do ex-deputado estadual Wagner Montes, no último sábado, 26

Avatar

Publicado

em

 

Corpo do ex-deputado estadual e deputado federal eleito, Wagner Montes (PRB), foi velado com várias homenagens por amigos, colegas de plenária e admiradores, nas dependências da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj)

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) decretou luto oficial de 3 dias pela morte do deputado estadual, apresentador de TV e deputado federal recém-eleito Wagner Montes (PRB) que faleceu, aos 64 anos, na manhã deste sábado, 26, em decorrência de uma infecção generalizada e falência de múltiplos órgãos.

A morte do político, torcedor do Botafogo, foi lembrada no próprio sábado, com um minuto de silêncio, antes do clássico entre o Alvinegro e o Flamengo, vencida pelo time da Gávea, de virada, por 2 a 1, pela 3ª rodada da Taça Guanabara.

O velório do parlamentar foi realizado, entre a noite de sábado e o início da tarde de domingo, no saguão do Palácio Tiradentes, sede do Legislativo fluminense, e contou com a presença de familiares, amigos e autoridades, como o presidente em exercício da Alerj, deputado André Ceciliano (PT), o Governador Wilson Witzel (PSC), o Prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), o Secretário Estadual de Agricultura, Eduardo Lopes (PRB), e diversos deputados, colegas de plenário nas últimas legislaturas, além de novos parlamentares que assumirão seus mandatos no próximo dia 1 de fevereiro.

Companheiros de televisão e artistas como os cantores Agnaldo Timóteo e Neguinho da Beija-Flor, e o ator Giuseppe Oristânio também estiveram emocionados no Palácio Tiradentes para se despedir do político, que ganhou notoriedade em 2003, quando passou a apresentar programas na Record TV Rio.

“O carisma de Wagner Montes, tanto na sua vida política como na TV, atraiu ainda mais de 200 populares que foram ao velório homenageá-lo. O saguão ficou repleto de coroas de flores e o caixão foi parcialmente coberto com a bandeira da Beija-Flor.

Muito emocionados, os familiares evitaram falar com a imprensa. Pouco antes do caixão ser fechado, no entanto, a viúva Sônia Lima agradeceu a presença de todos e lembrou a importância de Wagner Montes como pai e marido”, revelou a Alerj.

Por volta de 12h30, o corpo foi transportado em um carro do Corpo de Bombeiros para o crematório do Cemitério da Penitência, no Caju, onde, no domingo, 27, ocorreu uma cerimônia de despedida fechada para a família e amigos mais próximos.

Com uma carreira estabelecida desde 1974, o jornalista e político de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, se elegeu pela primeira vez para a Alerj em 2006, com 111.802 votos, após o sucesso na programação da Record.

Em 2010, recebeu 528.628 votos, destacando-se como o deputado estadual mais votado da história política do Estado do Rio até então. Na eleição de 2014, foi reeleito mais uma vez, com 208.814 votos, sendo o 2º deputado estadual mais votado do Rio.

Na última legislatura, ocupou o cargo de 1º vice-presidente da Mesa Diretora da Alerj, e chegou a presidir a Alerj em diversos momentos, mas as licenças médicas abriram caminho para Ceciliano assumir o comando do Legislativo fluminense.

Nas eleições do último, Wagner Montes foi eleito deputado federal pelo Rio, com 65.868 votos, para um mandato que iria até 2022.

“É com profunda tristeza que recebo a notícia da morte do amigo, irmão e companheiro de trabalho, deputado Wagner Montes. A alegria do Wagner, sua capacidade de trabalho, e especialmente a habilidade de driblar as dificuldades sempre foram características marcantes de sua personalidade. Hoje perdemos uma grande figura, mas o céu ficará mais divertido. Siga em paz, meu irmão. Que Deus conforte a família neste momento de dor, toda minha solidariedade à esposa do Wagner, filhos, amigos e colegas de trabalho”, declarou André Ceciliano.

Além do presidente interino da Alerj, diversos outros políticos e autoridades falar sobre o jornalista e sobre a perda do amigo, colega de plenária e importante figura pública do Estado do Rio nos últimos anos.

“Nós queríamos estar juntos nesta caminhada. Mas, tenho certeza, que se não estaremos fisicamente, estaremos ligados espiritualmente. Vamos estar sempre relembrando este legado dele de trabalho e dedicação”, falou Witzel.

“Hoje, há em cada olhar uma lágrima, em cada lar uma oração e em cada coração um voto de pesar e de saudade, pelo falecimento do líder, servidor do povo e amigo de todos, Wagner Montes, que a morte nos arrebatou inesperadamente. Ele sempre foi exemplo de honestidade, ética, briga pelo povo. Um brasileiro do qual nós todos nos orgulhamos muito”, elogiou Marcelo Crivella, correligionário de Wagner Montes.


 

Mais lidas do mês