Mídias Sociais

Destaque

Presos 14 quadrilheiros da ADA que comandam o tráfico de drogas em Quissamã

Avatar

Publicado

em

 

Ação policial foi um trabalho conjunto do Ministério Público estadual e o GAECO

 

 

Quatorze pessoas ligadas à facção criminosa Amigo dos Amigos - “ADA” - foram presas durante esta quinta-feira (24) pelo crime de tráfico de drogas, em Quissamã. Douglas Roberto Ferreira de Morais, chefe da facção, mesmo detido na Penitenciária Carlos Tinoco da Fonseca, continua comandando, junto a seus comparsas, o comércio ilegal de entorpecentes no município, em especial no bairro Caxias. Os quadrilheiros para ampliar os negócios se deslocam para comunidades do Rio, Macaé e Rio das Ostras para a compra ou empréstimo da droga e fazer o intercâmbio de traficantes entre as comunidades.

Foram presos em Quissamã Kaian Silva França, Diego Rangel, Rodolfo Alberto Dorador Espinoza Junior, Guilherme de Souza Melo, Igor Ribeiro Rosa, Romilson Nogueira dos Santos, Carlos Eduardo Marcelino de Paula, ambos recolhidos na cadeia Dálton Crespo de Castro, Luciano da Costa Terra, Rodrigo Moreira de Souza, Luiz Augusto da Conceição Oliveira, Brenda Aline Coura Torrão, Carlos Henrique Barreto Freire, Lorhayne de Assis Figueiredo, atualmente custodiada no presídio Nilza da Silva, Itallo Francisco de Souza Gomes, Douglas do Espírito Santo da Conceição e Sarah Flores do Nascimento.

A prisão dos traficantes é parte da Operação Apneia no município de Quissamã desenvolvido pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ) e em parceria com a Polícia Civil.  Cumpri-se mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão contra 17 pessoas ligadas à facção criminosa Amigo dos Amigos (“ADA”), pela prática dos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Na denúncia encaminhada à Justiça, o MPRJ detalha que além da droga, armas a quadrilha utilizava menores de idade no tráfico local. Essa participação se deu através da distribuição do entorpecente, da guarda do mesmo, do transporte das drogas de sua origem até o seu destino de consumo. Alguns adolescentes foram apreendidos e encaminhados pela Polícia Civil ao Juizado da Infância e Juventude.

No processo a ser julgado, o MPRJ solicita que Douglas seja indiciado no artigo 33, caput, da Lei 11.343/06, que descreve as práticas de importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar, com pena de reclusão de cinco a quinze anos.

Os outros denunciados foram enquadrados no artigo 35 da mesma legislação, que estabelece que a associação de duas ou mais pessoas para o fim de praticar, reiteradamente ou não, qualquer dos crimes previstos no artigo 33, está sujeita à pena de reclusão de três


 

Mais lidas do mês