Mídias Sociais

Destaque

Femicídio em Cabo Frio pode ter sido atropelamento de mulher

Avatar

Publicado

em

 

Delegado diz que mulher morta por suposto namorado foi atropelada

 

 

Elisângela Gonçalves Pereira teria morrido vítima de atropelamento e não por feminicídio como foi ventilado entre os policiais e conhecidos da mulher segundo o titular da 126ª DP, Sérgio Caldas. Ela faleceu no último domingo (20), após ficar internada no Hospital Central de Emergência (HCE).  A morte está sendo apurada inicialmente pela 126ª DP (Cabo Frio). Segundo o delegado, ainda não há elementos que comprovem que o caso seja enquadrado como feminicídio. Diante disso será encaminhado para a delegacia especializada da mulher (Deam).

O delegado disse que, de concreto apenas, existe o depoimento da mãe da vítima e imagens de câmeras de segurança que mostram a vítima após ter sido atropelada em frente a um local que tinha bastante movimento. “Não dá para ver o momento exato do atropelamento propriamente dito, mas dá para ver que havia várias pessoas no bar, que viram algo”. Detalhou que devido o ângulo da câmera posicionada a cobrir apenas a calçada impediu a gravação do acidente.  “Todas as pessoas olharam a rua em razão do impacto, mas ninguém apareceu aqui (na delegacia). Peço para quem tiver visto o atropelamento, venha prestar depoimento, o que pode nos ajudar muito” garantindo ainda o anonimato das testemunhas.

Em primeiro momento, relatos e boatos disparados pela internet davam conta que Elisângela saiu de sua residência em São Pedro da Aldeia após ter recebido uma ligação de um homem (supostamente o namorado) que a família desconhece e ido ao seu encontro. Horas depois ela foi encontrada gravemente ferida em um trecho do bairro São Cristovão.

O delegado esclarece ainda que, durante o depoimento da mãe de Elisângela foi citado um número de WhatsApp, que será checado atrás de informações que possam ajudar na elucidação do caso. Relatos dão conta apenas de que a vítima estava bem antes de sair de casa, em São Pedro da Aldeia, mas apenas ‘agitada’. “Se houver indício de que houve agressão vai para Deam, mas até o momento só recebemos comunicação de morte pelo ‘zap’. Não há comunicação de violência doméstica”.

Tânia Garabini

Mais lidas do mês