Mídias Sociais

Esporte

Aproveitamento do Flamengo cai após a Copa do Mundo e aumenta pressão sobre Barbieri

Sérgio Barcellos

Publicado

em

 

Antes da parada para a Copa do Mundo, o Flamengo tinha 75% de aproveitamento no Campeonato Brasileiro. Após o Mundial da Rússia, o Rubro-Negro viu esse mesmo aproveitamento cair para 46% nos cinco jogos disputados até aqui, resultados que aumentam a pressão e as cobranças sobre o técnico Maurício Barbieri.

A boa campanha antes da Copa do Mundo blindaram o treinador. Com quatro pontos de vantagem em relação ao Atlético-MG, Barbieri tinha tranqüilidade para trabalhar e planejar o futuro da equipe antes de uma pesada e decisiva sequência de jogos. No entanto, após o Mundial da Rússia, algumas derrotas pesaram na conta do treinador, como o revés sofrido em casa diante do São Paulo, e a derrota diante dos reservas do Grêmio, no último final de semana.

As derrotas fizeram a vantagem na ponta ser dizimada. Se antes o Flamengo tinha quatro pontos de vantagem na liderança, hoje o time aparece na segunda posição, um ponto atrás do líder São Paulo. Os resultados ligam o alerta no clube, e já fazem a torcida cobrar o treinador. Uma das críticas a Barbieri dizem respeito a ter poupados alguns de seus titulares no último final de semana, quando uma vitória diante de um rival direto era considerada importante para manter a ponta no Brasileiro. O treinador também tem algumas de suas substituições contestadas ao longo das partidas.

Os resultados estão longe de uma catástrofe, mas a verdade é que, o treinador passa a ser mais pressionado em um momento importante e que não permite erros. Um novo tropeço na próxima quarta-feira diante do Cruzeiro pela Libertadores pode colocar todo o planejamento a perder e deixar o clima insustentável. Conta a favor do treinador a excelente exibição de sua equipe diante do mesmo Grêmio na quarta-feira passada pela Copa do Brasil. Na ocasião, o Rubro-Negro conseguiu envolver completamente o adversário, demonstrando uma consciência tática há muitos anos não vista no clube. Encurralar o Grêmio em sua arena é algo para poucos.

A oscilação apresentada até aqui é natural, sobretudo se levarmos em conta a pesada sequência de jogos decisivos, tanto pela Copa do Brasil quanto pela Libertadores. Resta saber como o treinador vai lidar com o elenco e a pressão em um momento de instabilidade.

 

Mais lidas do mês