Mídias Sociais

Esporte

A história de superação de Cleber Cherene, a fera do stand up paddle que compete por Macaé

Avatar

Publicado

em

 

O tema é quase que um clichê, já que a prática esportiva é sempre indicada por médicos e especialistas. Mas a verdade é que o esporte tem sim a capacidade de mudar vidas, de expandir horizontes e quebrar barreiras. Cleber Cherene é uma prova viva disso. Com problemas de saúde, tomou uma decisão. Aos 47 anos, escolheu o stand up paddle. Hoje com 50, ele não se arrepende. Mudou de vida. No último final de semana, faturou o título do Campeonato Estadual na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. A decisão se mostrou acertada.

Natural do Rio de Janeiro mas morando em Macaé há 15, Cleber Cherene se deparou com uma hérnia de disco aos 47 anos. Um baque. Chegou a pesar mais de 100 quilos no período. Ao invés de se entregar, escolheu lutar. Decidiu mudar de vida. Em setembro de 2013 começou a praticar o stand up paddle. Em sua primeira competição profissional, ficou com a 25ª posição dentre 200 competidores na Califórnia. Era só o pontapé inicial. O início de uma nova trajetória.

“Conquistei uma boa classificação na minha primeira competição. Então eu não era tão ruim assim (risos). Fui me dedicando e as coisas foram acontecendo naturalmente. O esporte mudou minha vida. Eu nunca imaginei isso, que hoje com 50 anos estaria praticando stand up paddle e competindo. É uma sensação única estar no mar. É algo muito prazeroso esse contato com a natureza. Que sirva de exemplo para outras pessoas. Muitos dizem que estão velhos, que não vão conseguir. Eu sou a prova de que isso não é verdade. Nunca é tarde para começar”, afirmou Cleber.

Durante este ano, além do título do Campeonato Estadual de Stand Up Paddle na categoria fun race máster, Cleber acumulou outras conquistas. Foi o terceiro colocado no Estadual, só que agora na categoria race unlimited. Talvez a maior façanha da carreira tenha sido o Brasileiro. Por muito pouco Cleber não faturou o título nacional na race 14 pés s. máster. O lugar mais alto do pódio escapou por entre os dedos. E por muito pouco. No fim, ele acabou ficando com o vice-campeonato.

A identificação com o esporte é tão grande, que Cleber inclusive tem planos de abrir uma escolinha na cidade. “Gostaria de dar aulas para crianças carentes. É um projeto que tenho e que gostaria muito de colocar em prática. Mas para isso preciso de investidores, assim como preciso também de patrocinadores para o próximo ano. Quem sabe no futuro eu não consiga apoio e tocar esse projeto? Estou trabalhando para isso”, explicou Cleber.

Ele aproveitou ainda a oportunidade para tecer alguns agradecimentos. “Gostaria muito de agradecer a minha família pelo apoio e a Deus que está sempre à frente dos meus projetos”, finalizou Cleber Cherene.

Sérgio Barcellos

Foto: divulgação

Mais lidas da semana