Mídias Sociais

Cidades

Movimento em prol das pessoas com Síndrome de Down realiza palestra em Macaé neste sábado, 10

Avatar

Publicado

em

 

A população de Macaé e das cidades da região que convivem com pessoas com Síndrome de Down ou querem conhecer mais sobre a condição, terão uma grande oportunidade neste sábado, dia 10 de setembro.

Um movimento em prol das pessoas com a síndrome trará para a cidade um dos mais renomados geneticistas brasileiro especializado no assunto, o Dr. Zan Mustacchi, para ministrar uma palestra, batizada de “Síndrome de Down – Conhecer Para Abraçar”.

O evento acontecerá no Teatro Municipal de Macaé, neste sábado, das 8h30 às 12h30, e abordará a temática “Aspectos clínicos evocando aspectos de neurociências na neuronutrição da  Síndrome de Down”.

“Estamos iniciando um movimento em prol das pessoas com Síndrome de Down e estaremos trazendo à Macaé, o doutor e professor da USP, Dr. Zan Mustacchi, especialista em Síndrome de Down. Será no Teatro Municipal de Macaé e esperamos contar com o apoio de toda população. Abracem essa causa”, explica a Luciana Mazzini, avó do menino Bernardo, quando a família visitou o Programa Encontro, da apresentadora Fátima Bernardes, para discutir o tema.

As inscrições podem ser feitas na página do Facebook da mãe de Bernardo, Hanna Mazzini Rodrigues, ou através do link https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSckYP8n0AJcOJxvpppl4VvG_xPfndcyiw7kFr2Lxs8WRSqPSw/viewform?c=0&w=1

 

Zan Mustacchi – Filho de imigrantes egípcios, o Dr. Zan Mustacchi nasceu em Israel, onde viveu sua infância em meio a uma situação política delicada. Médico geneticista e pediatra radicado no Brasil, ele defende o máximo de autonomia possível às pessoas com Síndrome de Down e desfaz, com ênfase, alguns mitos a respeito da síndrome.

Entre outros títulos e atividades, Mustacchi é doutor e mestre pela Universidade de São Paulo (USP); vice-presidente do Departamento Científico de Genética da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP); responsável pelo Ambulatório de Genética do Hospital Infantil Darcy Vargas (HIDV); diretor clínico do Centro de Estudos e Pesquisas Clínicas de São Paulo (CEPEC-SP); membro da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down (FBASD); do Departamento Científico da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e do Down Syndrome Medical Interest Group (DSMIG), além de presidente do Instituto Ibero-Americano de Pesquisas e Diretrizes de Atenção à Síndrome de Down (IPDSD).

 

Síndrome de Down – Para quem não sabe, a Síndrome de Down não é uma doença, mas uma mutação do material genético humano. Os motivos para a ocorrência da Síndrome de Down, que hoje é tratada como uma condição, ainda são desconhecidos, mas o que se sabe é que começa na gestação, quando as células do embrião são formadas com 47 cromossomos, sendo que o normal seriam 46 cromossomos.

 

Educação – Segundo a Secretaria de Educação, atualmente, a rede pública municipal conta com 45 salas de recursos multifuncionais que atendem cerca de 800 estudantes que convivem com a mutação. Desse total, 232 alunos estão em processo de avaliação.

“O objetivo da Secretaria de Educação é assegurar a inclusão escolar, garantindo o acesso e a permanência de todos os alunos com deficiências e Transtornos Globais do Desenvolvimento, como Autismo Infantil, Síndrome de Asperger, Síndrome de Rett e Transtorno Desintegrativo da Infância, entre outros, além de altas habilidades e superdotação”, explica a secretaria.

Ainda conforme a pasta, o município conta ainda com professores de libras, intérpretes, e professores de braile, e o Atendimento Educacional Especializado (AEE), que assiste estudantes que apresentam deficiências físicas e múltiplas, como autismo, transtornos globais do desenvolvimento, e altas habilidades ou superdotação.

“A rede municipal conta com cerca de 78  professores que atuam na sala de recursos, além de dez intérpretes, cinco profissionais de Libras e um de braile, que atuam em salas regulares”, esclarece a secretaria.

A Secretaria de Educação revela que o município possui hoje duas unidades consideradas pólos no atendimento a alunos especiais: a Escola Municipal Lions, no Bairro da Glória, que atende surdos e deficientes auditivos, além de estudantes com deficiência intelectual e múltipla; e o Colégio Municipal Ancyra Gonçalves Pimentel, no Miramar, que assiste alunos que apresentam deficiência auditiva, visual e física.

Tunan Teixeira

Clique Diário

E. L. Mídia Editora Ltda
CNPJ: 09.298.880/0001-07
Redação: Avenida Atlântica, 2.500, sala 22 – Cavaleiros – Macaé/RJ

cliquediario@gmail.com
(22) 2765-7353

Mais lidas da semana