Mídias Sociais

Cidades

Macaco Bugio morre em Tamoios, distrito de Cabo Frio, e preocupa moradores

Avatar

Publicado

em

 

Município informa que continua oferecendo vacina contra Febre Amarela; Animal passará por uma autopsia para avaliar o motivo da morte.

Um macaco da espécie Bugio acabou morto, em Tamoios, distrito de Cabo Frio. Segundo moradores, o animal foi encontrado ainda com vida, porém, muito fragilizado, e pouco tempo depois acabou morrendo.

A situação preocupa os moradores, devido a possibilidade de Febre Amarela. Segundo especialistas, essa é uma das espécies mais sensíveis a contrair a febre. O animal foi encaminhado para a Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro para que uma autopsia seja realizada. O exame irá identificar a causa real da morte do animal.

A febre amarela é transmitida por mosquitos a pessoas não vacinadas em áreas de mata e também para animais, principalmente, o macaco. Desde o início do ano, o estado do Rio registrou 25 casos de febre amarela silvestre em humanos, com nove mortes, de acordo com o último Informe Epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado. A cidade de Cabo Frio não registrou casos da doença no município ou casos de moradores que tenham contraído em outros locais.

 

 

Vacina contra Febre amarela – A melhor forma de evitar a doença é tomando a vacina contra a febre. No município de Cabo Frio, a imunização continua sem ser necessário agendamento prévio.

A imunização acontece no EFS Cajueiro, às segundas-feiras; no Centro de Saúde Oswaldo Cruz, às sextas-feiras; no ESF do Jardim Caiçara, às quintas-feiras; na ESF do Itajuru, às quartas e sextas-feiras; na ESF de Florestinha, às quartas e quintas-feiras; e no PAM de Santo Antônio às quintas e sextas-feiras.

A imunização é feita em pessoas entre nove meses até 60 anos de idade. Para aqueles que têm imunidade baixa, é necessário uma atenção maior e uma orientação médica antes da vacinação. Entre as pessoas que possuem restrições à vacina estão: mulheres grávidas e que estão amamentando, pessoas que são portadoras de HIV/AIDS, com câncer, acima de 60 anos, pessoas com alergia a ovo, com doenças do fígado, com hipertensão arterial sem controle adequado e com diabetes.

Mais lidas da semana