Mídias Sociais

Cidades

Depois de meses parada, obra de pavimentação da Rua Orlando da Silva Melo, retorna em Tamoios, distrito de Cabo Frio

Avatar

Publicado

em

 

Parece que educação passa longe das prioridades da atual administração municipal de Cabo Frio. Prova disso, é o número de pastas, requerimentos e demais documentos de problemas ligadas a educação, que atual gestão do Conselho Tutelar de Tamoios, acumulou, em apenas quatro meses de atendimento.

Dentre os problemas, está a questão do transporte escolar. Com o número de vagas escasso, responsáveis foram obrigados a optar por escolas longe de suas residências, para conseguir matricular seus filhos e agora sofrem para conseguir buscar e levar as crianças. Apesar do município oferecer o benefício do transporte escolar, as vagas oferecidas não atendem à demanda, deixando quem precisa numa situação delicada. “Nós recebemos aqui notificação de evasão escolar, vamos procurar os responsáveis, e chegando lá descobrimos que é uma família carente, que não tem condições de ficar pagando passagem para levar e buscar o filho todo dia na escola, e que não consegue vaga no transporte do município. É uma situação complicada. O que nós temos feito é aconselhar ao responsável a procurar a defensoria pública, já que ofícios e pedidos a secretaria de educação, não tem resolvido o problema”, explicou a conselheira Graziele.

Outro problema apresentado pelos responsáveis dos jovens e crianças de Tamoios é com relação a falta de vagas nas escolas. Segundo o conselho, há muitas crianças fora da sala de aula ou sendo obrigadas a se deslocarem para outros municípios, pois Cabo Frio não foi capaz de atender a demanda, apesar de ter obras de escola parada. “Com relação, a falta de vaga é algo assustador. Simplesmente, não há vagas. Estamos com uma determinação, encaminhada por um juiz, que teria que ser cumprida imediatamente, e mesmo assim, a criança ainda está fora de sala de aula. Quando se trata de creche a situação é ainda mais delicada, estamos com um requerimento pedindo explicações sobre a matricula na creche inaugurada este ano, que não estava na pré-matrícula. Quem foram as pessoas beneficiadas?”, Questionou o conselheiro Jorge Shock.

Outro problema relatado foi a falta de auxiliares especializadas em atender alunos especiais. Esses estudantes tem por direito a ter alguém para acompanhar e auxiliar seu desenvolvimento dentro da unidade escolar, o que não tem acontecido de forma adequada, fazendo com que pais tenham receio de deixá-los na escola.

Ainda segundo os conselheiros, os problemas não param por ai, a falta de professores nas unidades, falta de segurança, dentre outros pontos também entram na extensa lista de problemas, sem nenhuma previsão de solução.

 

Mais lidas da semana