Mídias Sociais

Caderno D

Macaé ganha a sua 1ª cervejaria

Avatar

Publicado

em

 

Há três anos, uma ideia começou a surgir entre uma turma de amigos. A vontade de reunir a família, confraternizar, era tão grande para estas pessoas, que um projeto começou despretensiosamente e ganhou forma. Uma forma maior que a esperada foi conquistada e o resultado aconteceu esta semana em Macaé.

A primeira microcervejaria da cidade foi lançada, confirmando a explosão de sucesso que o setor vive no estado do Rio de Janeiro. Os mesmos três anos de duração, que foram necessários para criar este novo espaço, acompanharam direitinho o caminhar, ou melhor, os saltos nos números neste segmento. De 15 fábricas pequenas e médias no estado, em 2012, mais 15 foram abertas até o fim do ano passado. Um crescimento de 138%, maior que a média nacional, que gira em torno de 81%.

Mas vamos ao que interessa, realmente, e revelar quem é a responsável por este novo empreendimento em Macaé. A cerveja Show de Bola conquistou o paladar o público, saiu do status conhecido no mercado como empresa ‘cigana’, que são empresas que terceirizam sua produção, o grupo de amigos, que citamos lá no início do texto, trabalhou pesado e evoluiu. Assim está sendo a nova realidade dos bons amigos que sempre valorizaram o brinde, a torcida e a amizade.

Santa Maria Madalena era o berço do processo de fabricação da cerveja Show de Bola e hoje, ela está totalmente em solo macaense, mais precisamente na avenida dos Jesuítas, no bairro Cajueiros.

Dois sócios e seus filhos, cuidam de tudo e foi assim, de forma muito tímida, que um grande sonho foi realizado. “ Antes a gente produzia só em panela, depois o pessoal foi gostando e vimos que a cerveja teria capacidade de crescer. Tivemos uma séria reunião para discutir o futuro da cerveja e decidimos lançar o primeiro rótulo, a Pilsen. Estilo mais tradicional, uma cerveja suave, com características da escola alemã de cervejas. Quando começamos a produzir pra valer, começamos com 500 litros por brassagem. Em um ano, já fizemos mais de 20 brassagens e por mês estamos fazendo atualmente, de 500 a 1.500 mil litros de cerveja. Quando temos grandes eventos esse número aumenta significativamente.” Revela um dos filhos, Lucas Moraes, que trabalha diretamente com a produção.

São quatro rótulos criados com muito critério e que a cada dia caem no gosto do público da cidade. A primeira criada foi a Pilsen, depois veio a Witbier Capim Limão, a terceira Irish Red Ale e no mês de junho veio o quarto rótulo, uma American Indian Pale Ale(IPA).

O foco do empresário, cervejeiro e sommelier da Show de Bola, Alexandre Barbosa, que foi o idealizador deste sonho, é ampliar a distribuição das cervejas em toda a região, mas o mundo já está ‘abraçando’ a ideia e investidores estrangeiros estão de olho nos produtos. “Graças ao esforço de cada um envolvido nesse projeto, estamos muito realizados. Macaé tem mais de cinco cervejas e presenciar pessoas renomadas no ramo, dizerem que nunca haviam visto uma cerveja que em menos de um ano construiu a própria fábrica, é realmente uma vitória”, Comenta Lucas.

A cultura de beber menos e beber melhor, nunca esteve tão em evidência. Cerveja hoje é tida não apenas para compartilhar bons momentos, celebrar com os amigos, os rótulos mais elaborados vem levando as pessoas a comprarem para presentear amigos e até levar em viagens para amigos mais distantes. “Nossa cerveja se destaca pelo paladar marcante e com um incrível drinkability, que é a sensação que você tem ao tomar uma boa cerveja e bater aquela vontade de beber novamente.”Conta.

Bem equilibradas, com teores alcoólicos medianos, com bons ingredientes e lúpulos selecionados, a Show de Bola, revela o seu potencial e mostra que é uma cerveja que faz jus ao nome. E para quem deseja apreciar mais de perto todas estas cervejas especiais, em meados de novembro, a cervejaria vai abrir suas portas para visitação, onde será possível degustar os quatro tipos de cerveja da Show de Bola, em seu próprio local de fabricação.

Macaé está deixando de vez a marca que levou por anos, sendo conhecida como a Capital do Petróleo e está apresentando uma nova cidade, cheia de potencial, entrando para a rota cervejeira com muito estilo e qualidade.

A cidade é bonita por natureza, possui um povo batalhador e tem todos os requisitos para deslanchar ainda mais. “Eu comecei a viver nesse mundo das cervejas há dois anos, apenas vendendo as artesanais, comecei pouco a pouco a me encantar por tudo isso e depois de um ano, tudo começou mesmo. Hoje eu tô aqui, trabalhando pesado por este sonho e a ficha ainda está caindo. Estamos muito felizes e a minha expectativa, pessoalmente falando, é estar daqui há um ano, com o triplo da nossa fabricação!”, Finaliza Lucas.

Vale conhecer um pouquinho de cada rótulo:

Pilsen (Escola Alemã): Cerveja clássica e saborosa. Coloração amarelada, clara e corpo médio.  Essa receita destaca-se pelo equilíbrio do malte Pilsen com o autêntico malte Vienna. Teor alcoólico suave e levemente amarga. Ideal para todas as ocasiões.

Witbier Capim Limão (Escola Belga): Receita originalmente belga, elaborada com maltes de cevada e trigo. Cerveja levemente temperada com casca de laranja, capim limão e especiarias que promovem uma sensação cítrica refrescante, própria para os dias de verão.

Irish Red Ale (Escola Inglesa): Cerveja tradicional, composta por maltes clássicos e torrados. Destaca-se pelo marcante sabor maltado, pela cor avermelhada e um leve adocicado oriundo dos grãos caramelizados.

American Indian Pale Ale – IPA (Escola Americana): Uma cerveja imponente.  Uma autêntica representante da escola cervejeira americana. Destaca-se pelo amargor acentuado e aroma cítrico oriundos da profusão de lúpulos americanos que esta receita contém.

Mariana Abrantes

Mais lidas da semana