Mídias Sociais

Artigos

Assim era o interior

Publicado

em

 

“Só deixo meu Cariri no último pau- de- arara.” ( Luiz Gonzaga)

O sino solitário da matriz anuncia que a cidade não está deserta. Seus homens caçadores da rotina saem das cavernas onde os cascavéis manifestam o seu poderio.

Os jovens desocupados ocupam os corações das adolescentes. Como garimpeiro em mar pródigo busca insaciavelmente os sonhos distantes.

O filho do fazendeiro aquele que foi para capital e voltou, queria ser doutor, mas o destino foi traiçoeiro. Agora trabalha desesperadamente. Seus ideais os tratores enterraram. Na sua fazenda, sonha com cidade, com a menina de suas quimeras, com o baile no fim de semana no clube, com a boate. As luzes da noite desenham estrelas nas ruas desertas.

Seus usuários, como guerreiro homérico, atiram nas ilusões da meia-noite. A vida não tem assombração. É uma delícia ver as adolescentes brincarem de Branca de Neve. Mesmo se o público é de anões.

Agora são duas horas, hora fatal  e o filho do fazendeiro começa a pensar “o que será que minha namorada está fazendo?” Lendo Sétimo Céu?

Torcendo pelo meu trabalho ou ouvindo rádio? Se ela ama mentira eu amo a rotina. A vida se faz, não idealiza. A vida se consegue, não mistifica.

Agora é tarde, o trabalho no espaço se perde. E lá vem o filho do fazendeiro todo vaidoso. Avista da igreja e as meninas da periferia toda sonhando com ele. Cheio de razão e portador de sonhos, chega na cidade. Que maravilha! As normalistas que passam para as escolas carregam nos seus cadernos o sonho de dia ser donas de quem é dono da cidade. A certeza de que a simplicidade é fonte inesgotável de felicidade. A pureza é sintoma evidente de que o céu é atingível.

Os baianos das  cidades roubam os corações como profissionais da arte seduzir. A vida se resume num artifício aconchegante em noite de lua cheia. A utopia mora com a felicidade. Ambas enfeitam com simplicidade as ruas dos cães poetas. A ciência, coitada passa como relâmpago em noite de tempestade. A razão só tem coexistência se a vida é a protagonista.

É um paraíso que passa pela janela. Os dias úteis parecem feriados constantes. A paisagem real faz inveja aos cientistas mais convictos. O cético acredita que a felicidade é uma eterna mentira. Neste universo fragmentado o todo só é atingível com plenitude consistente de ir além da felicidade.

Prefiro o coqueiral de hoje, porém respeito os saudosistas.

Juarez Alvarenga – advogado e escritor

 


 

Mais lidas do mês