Mídias Sociais

Sem categoria

Contas de Araruama são reprovadas pelo TCE

Avatar

Publicado

em

 

As contas da Prefeitura de Araruama, referentes ao ano de 2015 governado pelo prefeito Miguel Jeovani, foram reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). A decisão do TCE-RJ seguirá agora para a Câmara Municipal para o julgamento final.

A decisão se deu porque o poder executivo local ultrapassou os limites prudencial (51,30%) máximo (54%) em gastos com pessoal, descumprindo o art. 20 da Lei Complementar Federal nº 101/00. De acordo com o TCE, a irregularidade nas despesas com os funcionários da prefeitura vem crescendo acima dos limites legais desde 2013, quando fechou o último quadrimestre com gastos de 55,30% da RCL. Em 2014, os números do mesmo período bateram em 55,89% da RCL. Em 2015, chegaram a 56,32%.

O crescimento contínuo dessa despesa impõe a necessidade urgente de adoção, por parte do prefeito, de medidas administrativas visando à imediata redução das despesas com pessoal. Enquanto permanecer o excesso, a prefeitura de Araruama não estará apta a receber transferências voluntárias; obter garantias, diretas ou indiretas; e contratar operações de crédito, ressalvadas as destinadas ao refinanciamento da dívida mobiliária e as que visem à redução das despesas com pessoal.

 

Demais pontos avaliados - Em 2015, a prefeitura trabalhou com a previsão inicial de arrecadar R$ 256.388.950,00, mas o recolhimento efetivo foi além e somou um total de R$ 277.772.745,24, o que representa um excesso de arrecadação de R$ 21.383.795,24. Porém, de acordo com o balanço orçamentário, a prefeitura registrou um déficit de R$ 21.523.521,43, visto que sua arrecadação, desprezando o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), chegou a R$ 261.667.396,55 e suas despesas, seguindo o mesmo critério, chegaram ao total de R$ 283.190.917,98.

Na educação, os gastos com a manutenção e desenvolvimento do ensino de Araruama foram de R$ 32.213.916,98, o correspondente a 26,07% da receita com impostos e transferências, que somaram no exercício de 2015 R$ 123.572.597,88. O resultado alcançado demonstrou que o município aplicou acima do mínimo exigido pela Constituição Federal, que fixa em 25% do valor dos impostos que servem como base de cálculo.

Na prestação de contas, a prefeita de Araruama demonstrou aplicação de R$ 47.019.360,70 no pagamento da remuneração dos profissionais que atuam no ensino básico (infantil e fundamental). O valor corresponde a 74,86% dos recursos recebidos à conta do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb), ficando acima do valor mínimo preconizado pelo artigo 22 da Lei Federal nº 11.497/07, que é de 60%.

Na saúde, o resultado também ficou acima dos 15% fixados na Lei Complementar nº 141/12, que regulamenta a Constituição Federal, fixando os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, estados, municípios e Distrito Federal. A prefeitura destinou às ações e serviços de saúde o valor de R$ 32.711.112,85 que representou 26,88% das receitas de impostos e transferências de impostos.

Mais lidas da semana