Mídias Sociais

Saúde

Em Macaé, 204 mil pessoas já foram vacinadas contra a Febre Amarela. Neste sábado (03), tem Dia D de vacinação

Publicado

em

 

Sete unidades de saúde estarão abertas para vacinar a população na cidade

 

Daniela Bairros

Neste ano, Macaé não registrou nenhum caso de febre amarela, ao contrário do ano passado, quando cinco casos foram registrados, com óbitos. Até agora, na cidade, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, 204 mil pessoas já foram vacinadas. Neste sábado (03), em todo o estado, tem o Dia D de vacinação. Em Macaé, sete unidades de saúde estarão abertas para vacinar a população exclusivamente contra a doença. Desde o ano passado, as ações de imunização vem sendo intensificadas no município.

A vacinação contra a febre amarela já faz parte do calendário regular do município, estando disponível fora das campanhas nos módulos de Estratégia Saúde da Família, de acordo com o cronograma. De segunda a sexta, as doses estão disponíveis no pronto-socorro Aeroporto e na Casa da Vacina, no Centro.

A coordenadora de Vigilância em Saúde, Ana Paula Dal-Cin, garante que a vacinação será feita com dose padrão, sem fracionamento. Para receber a vacina contra a febre amarela é necessária a apresentação do comprovante de residência.

Podem se vacinar pessoas de nove meses a 59 anos e que não tenham contraindicação para o uso da vacina. A dose é única e vale para toda a vida. As pessoas vacinadas devem aguardar quatro semanas após a vacinação para doar sangue.

Unidades - Em janeiro, seguindo a recomendação da Secretaria de Estado de Saúde, a Secretaria de Saúde realizou o dia de mobilização contra a doença, onde foram administradas 1,3 mil doses.  As unidades que funcionarão neste sábado (3) de 8h às 16 horas são ESF  Córrego do Ouro e ESF Glicério; ESF Aeroporto, ESF Lagomar, Casa da Vacina, ESF Aroeira e ESF Visconde.

Vacina

A vacina contra a febre amarela não é recomendada para gestantes, lactantes de crianças com até seis meses de idade e nem para quem tem mais de 60 anos, nesse último caso o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação, levando em conta o risco da doença e o risco de eventos adversos nessa faixa etária ou decorrentes de comorbidades.

As doses geralmente produzem poucos efeitos colaterais. Cerca de 5% das pessoas podem desenvolver, cinco a dez dias depois da vacinação, sintomas como febre, dor de cabeça e dor muscular, sendo infrequente a ocorrência de reações no local de aplicação. Reações de hipersensibilidade são muito raras e geralmente atribuídas às proteínas do ovo contidas na vacina.

Casos da doença no estado

Segundo a Secretarial Estadual da Saúde, neste ano, já foram registrados 99 casos de febre amarela silvestre em humanos, com 44 mortes, sendo:

- 13 casos - Teresópolis, sendo seis óbitos

- 18 casos - Valença, sendo seis óbitos

- 8 casos - Nova Friburgo, sendo três óbitos

- 1 caso - Petrópolis

- 1 caso - Miguel Pereira, sendo um óbito

- 8 casos - Duas Barras, sendo um óbito

- 3 casos - Rio das Flores, sendo dois óbitos

- 2 casos - Vassouras, sendo um óbito

- 7 casos - Sumidouro, sendo dois óbitos

- 5 casos - Cantagalo, sendo três óbitos

- 1 caso - Paraíba do Sul, sendo um óbito

- 2 casos - Carmo, sendo um óbito

- 2 casos - Maricá, sendo um óbito

- 19 casos - Angra dos Reis, sendo dez óbitos

- 2 casos - Paty do Alferes

- 2 casos - Engenheiro Paulo de Frontin, sendo dois óbitos

- 2 casos - Mangaratiba, sendo um óbito

- 1 caso - Piraí, sendo um óbito

- 1 caso - Cachoeiras de Macacu, sendo um óbito

- 1 caso - Trajano de Moraes, sendo um óbito

Cidades onde macacos foram encontrados mortos com a doença – Niterói, Angra dos Reis (Ilha Grande), Barra Mansa, Valença, Miguel Pereira, Volta Redonda, Duas Barras, Paraty, Engenheiro Paulo de Frontin e Araruama.

 

Crédito: Divulgação

 

 


 

Mais lidas do mês