Mídias Sociais

Radar Diário

Vereadores trocam farpas e acusações em sessão da Câmara de Macaé nesta quarta-feira, 22

Publicado

em

 

Vereador de oposição, Dr. Luiz Fernando (PTC), e líder do governo, Julinho do Aeroporto (MDB), discutiram durante sessão ordinária que votou as contas da prefeitura no exercício de 2015

Votação de contas do Executivo já não é um assunto simples no Legislativo, qualquer que seja ele, municipal, estadual ou federal. Enquanto a oposição aproveita para bater no governo, independente do parecer do Tribunal de Contas, a situação tenta “botar panos quentes”.

Mas na votação das contas da Prefeitura de Macaé no exercício de 2015, a rixa entre governistas e opositores se tornou questão pessoal em discussão entre os vereadores Dr. Luiz Fernando (PTC) e Julinho do Aeroporto (MDB), na sessão ordinária da Câmara de Macaé desta quarta-feira, 22.

Depois de uma exposição do líder do governo lembrando posicionamento de alguns parlamentares da oposição que, em votação das contas de 2012 do ex-prefeito Riverton Mussi (PDT), rejeitaram o parecer contrário do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ), o vereador de oposição, que não tinha mandato na votação que aconteceu em 2013, aproveitou a deixa para alfinetar o adversário político.

“Eu fui líder do governo sim, vereador, mas nunca fui gestor de secretaria nenhuma, nunca fui ordenador de despesa, logo, não gastei verba pública. Se as contas foram rejeitadas pelo TCE, eu não tive participação nisso”, disparou Dr. Luiz Fernando.

Ao alvo da declaração era justamente Julinho, que foi secretário no governo Riverton Mussi. Como não é de levar desaforo para casa, o emedebista não deixou por menos e aumentou a polêmica.

“Fui secretário sim, mas nunca vendi nada para a prefeitura. Pode procurar. Nunca vendi nenhum bem e nenhuma área para a prefeitura”, soltou Julinho.

A reação do parlamentar do PTC foi imediata. Sem nem pedir a palavra à presidência, Dr. Luiz Fernando respondeu que uma área sua foi desapropriada pela gestão anterior, mas que, apesar dos processos e acusações, havia vencido o processo.

“Fiz desapropriação sim, mas ganhei a ação porque não havia nenhuma irregularidade. Pode procurar lá vereador, e traz para cá. Desafio o senhor a achar um documento dizendo que eu fiz alguma coisa irregular. Foi desapropriada, mas eu ganhei a ação”, devolveu o oposicionista.

A discussão ganhou mais contornos pessoais depois que Julinho pediu a palavra para fazer meã culpa, de que não havia citado nomes, apenas relatado o caso, e dizendo que o adversário político havia vestido carapuça, repetindo que não tinha dado nomes ao caso e irritando de vez o vereador do PTC.

“Talvez o senhor não tenha vendido nada porque não estava no seu nome”, disparou Dr. Luiz Fernando.

“Mas a fazenda também não estava no nome do senhor, vereador”, devolveu Julinho.

A enérgica discussão teria prosseguido não fosse a intervenção do Presidente da Casa, Dr. Eduardo Cardoso (PPS), que pediu que os dois parlamentares se contessem e retornassem à pauta, pondo fim, temporariamente, à briga.

É bom lembrar que, além de rivais políticos, o oposicionista, Dr. Luiz Fernando, e o líder do governo, Julinho do Aeroporto, ainda são candidatos a deputado estadual, o que ainda deve gerar mais debates acalorados na disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) nas eleições gerais de outubro deste ano.


 

Mais lidas do mês