Mídias Sociais

Cidades

Vice-Procurador Geral Eleitoral defende que uso de centros assistenciais de forma eleitoral deve ser considerado irregular

Avatar

Publicado

em

 

Para Vice-PGE, uso em benefício de candidatura deve ser considerado abuso de poder político e econômico

Tunan Teixeira

Em sessão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o vice-procurador-geral Eleitoral (Vice-PGE), Humberto Jacques de Medeiros, defendeu que o uso de centros assistenciais de forma eleitoreira de forma eleitoral deve ser considerado irregular.

Para ele, o uso dessas instituições em benefício de candidaturas, deveria configurar abuso de poder político e econômico, capaz de desequilibrar a disputa eleitoral.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), a tese é discutida em 2 recursos ajuizados pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) contra candidatos a deputado federal e estadual no Rio de Janeiro, nas eleições de 2014.

Humberto Jacques ainda alertou que se o TSE não declarar a prática irregular, os políticos fluminenses passarão a fazer uso desse artifício para atrair o voto de eleitores nos próximos pleitos.

O uso de centros assistenciais e até de programas sociais para fins chamados eleitoreiros rendeu, recentemente, a prisão de diversos políticos em Campos dos Goytacazes, acusados de usarem o Cheque Cidadão para compra de votos, entre eles o ex-governador do Rio, Anthony Garotinho (PR), além de ex-secretários municipais, vereadores e ex-vereadores.

No Recurso Ordinário 799.627, de 2014 (RO799627/14), cujo julgamento foi iniciado na última quinta-feira, 19, o MPE questiona acórdão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), que não considerou abuso de poder econômico o uso eleitoreiro de centro social por José da Silva Fernandes Filho, então candidato a deputado estadual nas eleições de 2014, pelo DEM.

Em outro caso (RO800319/14), o MPE também questionou a decisão do TRE-RJ que adotou o mesmo posicionamento para Francisco dos Santos, o Chico Borracheiro, quando este foi candidato a deputado federal pelo PROS, no mesmo pleito.
“No julgamento deste último caso, iniciado no último dia 17, Humberto Jacques alertou que, caso o TSE mantenha o acórdão questionado, indicará que todo político fluminense pode e deve manter um centro social de sua propriedade, em que preste serviços assistenciais, com os quais agrade o eleitorado e crie com ele uma relação de servilidade e dependência. Além do uso nocivo do assistencialismo como forma de cativar o eleitor de zonas carentes, a prática associada ao interesse eleitoral torna-se ainda mais perniciosa quando utilizada com a intenção de substituir serviços prestados pelo estado”, defende o MPF.
Para o vice-PGE, o perigo da manutenção desta prática é que, em sua opinião, não interessará aos candidatos que se elegem com práticas assistencialistas que o estado funcione.

“É interessante que o serviço oferecido nos centros assistenciais seja bom e o serviço público não. O assistencialismo que se alimenta na prática eleitoral é aquele que tem o máximo interesse em que o Estado não funcione. É a política que vive do fracasso do Estado”, completou Humberto Jacques.

Em Macaé, o vereador Julinho do Aeroporto (PMDB) inaugurou, recentemente, um centro social, em uma comunidade da cidade, mas, diferente dos demais políticos, Julinho já anunciou diversas vezes que não disputará o próximo pleito.

Caso o uso de centros assistenciais por candidatos seja considerado irregular pela Justiça Eleitoral, a medida pode acabar ainda implicando novo olhar sobre as candidaturas de líderes religiosos, já que muitas vezes, essas instituições também mantêm centros de assistência social.

Clique Diário

E. L. Mídia Editora Ltda
CNPJ: 09.298.880/0001-07
Redação: Avenida Atlântica, 2.500, sala 22 – Cavaleiros – Macaé/RJ

cliquediario@gmail.com
(22) 2765-7353

Mais lidas da semana