Mídias Sociais

Política

Temendo vitória de deputado do PT, senador do PSL tenta articular chapa para disputar presidência da Alerj

Publicado

em

 

Em sua conta no Twitter, senador Flávio Bolsonaro (PSL) postou foto reunido com a bancada de seu partido falando sobre o assunto, cogitando, inclusive, não indicar nome principal da chapa

Para tentar impedir a eleição e a manutenção da presidência do interino da Assembleia Legislativa do Estado do Rio, André Cecliano (PT), o agora senador e principal nome de seu partido no estado, Flávio Bolsonaro (PSL), articula chapa para a disputa da presidência do Legislativo estadual contra o petista.

Desde a prisão de André Corrêa (DEM) e a desistência do Governador Wilson Witzel (PSC) em lançar o único deputado de seu partido que restou na Casa, Márcio Pacheco (PSC), após a prisão de Chiquinho da Mangueira (PSC), a eleição de Cecliano vem sendo apontada como garantida nos bastidores da Alerj.

Em sua conta no Twitter, Flávio Bolsonaro postou uma foto com a futura bancada do PSL na Alerj, demonstrando que pretende cumprir o que teria dito a jornalistas ainda no fim de 2018, quando pretendia impedir qualquer petista de assumir cargo de destaque no Estado do Rio.

“Importante reunião com a bancada de deputados estaduais do PSL-RJ. A Alerj terá alternativa para disputa da presidência e a bancada, disposta a abrir mão da cabeça da chapa, sinaliza que o importante é o RJ e já articula com outros partidos”, comunicou o filho do presidente da república.

A eleição da Mesa Diretora acontece em fevereiro, e segundo a colunista política do jornal Extra, do Rio, Berenice Seara, o PSL poderia, inclusive, abrir mão da chamada cabeça da chapa, ou seja, de nomear um candidato à própria presidência.

Maior bancada partidária da próxima legislatura, porém, o PSL conta o tempo antes de perder um integrante, o vice-prefeito de Saquarema, Pedro Ricardo (PSL), que deve perder sua cadeira da Alerj.

O motivo seria a validação, por parte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dos votos de Felipe Peixoto (PSD), que colocariam o ex-vereador de Macaé, Chico Machado (PSD), na no lugar do político de Saquarema.

No entanto, a mudança de nome não deve afetar os votos do PSL na disputa pela presidência, já que Chico Machado declarou, em outubro, que apoiará o novo governador, que por sua vez, foi aliado de Flávio Bolsonaro durante a campanha eleitoral do ano passado.


 

Mais lidas do mês