Mídias Sociais

Política

Sem conseguir investir recursos previstos no orçamento desde 2015, Governo do Rio envia LOA 2020 à Alerj

Avatar

Publicado

em

 

Em meio a tantos debates sobre a crise financeira do Estado do Rio, o governador Wilson Witzel (PSC) enviou à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) o projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2020 com previsão de menor investimento dos últimos 6 anos.

O texto contém a estimativa de arrecadação e de despesas e a previsão orçamentária para o próximo exercício, segundo ano de mandato do governador, que assumiu a gestão do Estado do Rio este ano.

Segundo a LOA 2020, publicada nos atos oficiais no último 1 de outubro, a previsão de receita é de 70,1 bilhões de reais enquanto a de despesas, é de 80,8 bilhões de reais, resultando em um déficit estimado em 10,7 bilhões de reais.

Para as principais pastas, o total previsto de investimentos é de 6,7 bilhões de reais para a Saúde, 7,7 bilhões de reais para a Educação, e 12,6 bilhões de reais para a Segurança Pública, abaixo das estimativas para as mesmas pastas na LOA 2019.

De acordo com análise do deputado estadual Renan Ferreirinha (PSB) apresentada pela jornalista Berenice Seara, em sua coluna Extra, Extra, desde 2015, o governo do Rio tem executado, em média, apenas 32% do que foi prometido no orçamento aprovado pelos parlamentares.

Entre 2015 e 2018, durante o governo Pezão (MDB), a previsão de investimentos ficou sempre acima do que de fato acabou saindo dos cofres públicos estaduais, com enorme queda nos primeiros 3 anos.

Em 2015, a previsão era de 11 bilhões de reais, mas só 6,6 bilhões de reais investidos. Em 2016, a previsão era de 7,6 bilhões de reais, mas apenas 2,5 bilhões foram investidos. E Em 2017, o orçamento estadual tinha previsão de 4,7 bilhões, mas apenas 987 milhões de reais foi investidos.

No último ano da gestão Pezão, a previsão de investimentos era de 7,7 bilhões de reais, mas apenas 1,4 bilhão de reais foram liquidados, e neste primeiro ano da gestão Witzel, apenas 256 milhões de reais fora utilizados dos 8,1 bilhões de reais previstos.

Mais lidas da semana