Mídias Sociais

Política

Projeto de desenvolvimento econômico de Dr. Aluízio tramitará em regime de urgência na Câmara de Macaé

Publicado

em

 

Em seu gabinete, na sede da administração municipal (foto), Prefeito de Macaé, Dr. Aluízio (MDB), explicou que projeto pretende fomentar o desenvolvimento municipal em infraestrutura e economia, trazendo novos investimentos para a cidade

Um projeto de autoria do Prefeito Dr. Aluízio (sem partido), entregue na Câmara Municipal de Macaé na tarde desta terça-feira, 30, foi lido no expediente da sessão ordinária desta quarta-feira, 31, quando o líder governista, Julinho do Aeroporto (MDB), reforçou pedido de tramitação em regime de urgência.

O projeto, que institui o programa de desenvolvimento Avança Macaé, propõe que empresas possam assumir obras públicas, financiando as melhorias em troca de ter o investimento descontado posteriormente na carga tributária.

De acordo com o prefeito, o projeto é uma ideia inovadora que vai trazer diversos benefícios para a cidade, já que além das obras, a proposta também fomenta o desenvolvimento econômico, pois pode trazer novos investidores à cidade.

Dr. Aluízio, porém, reitera que a medida não prevê isenções fiscais e sim um “adiantamento do imposto”, já que o valor investido pela iniciativa privada será recuperado depois pelas empresas que fizerem o investimento.

“Suponhamos que um grande empreendimento hoteleiro queira construir um hotel no Sana. Para isso, ele precisa de estrada. Mas a estrada não existe. Então a empresa paga por essa estrada e depois que o hotel estiver funcionando, ela vai ter descontado esse investimento da sua carga tributária. Não tem isenção fiscal. É um adiantamento do imposto. Vai beneficiar a cidade, mas o risco é só empresa, porque se ela amanhã, depois da estrada construída, não quiser mais fazer o hotel, é prejuízo para ela. A estrada vai ficar para Macaé. Então é uma forma de atrair ‘dinheiro novo’, novos investimentos”, analisou o prefeito, em seu gabinete.

Com exclusividade ao Diário da Costa do Sol, na noite desta quarta-feira, 31, o prefeito acrescentou ainda que as obras não serão escolhidas pelas empresas e nem há possibilidade de que elas se sintam donas das obras.

Citando a construção da Rodovia Transportuária, atrelada ao projeto do novo Terminal Portuário (Tepor) de Macaé, o Dr. Aluízio lembrou ainda que a lei também estabelece condicionantes às empresas interessadas em fazer esse adiantamento de imposto para promover melhorias para a cidade e para seus negócios.

Entre elas, estão as obrigatoriedades, de que a empresa esteja estabelecida no território macaense; de que as obras aconteçam apenas dentro do território municipal; de que a empresa esteja em situação regular com a Secretaria de Fazenda com todas as obrigações tributárias; de que comprove sua regularidade junto aos órgãos de fiscalização e controle ambiental; e de que empreguem 60% de mão-de-obra de moradores do município.

Mais cedo, pela manhã, os vereadores discutiram o requerimento do líder governista, elogiando o pedido de urgência do líder do governo e ressaltando a necessidade de agilizar obras de manutenção e reforma de equipamentos públicos.

Para o vereador Welberth Rezende (PPS), eleito deputado estadual no último dia 7 de outubro para ocupar uma cadeira na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) a partir de 2019, o projeto é motivo de parabenizar o governo municipal.

“Eu queria parabenizar o governo pelo projeto. Eu vi um pouquinho do projeto ontem, acabei de olhar um pouquinho agora. O projeto é muito bom. Projeto muito interessante. Com esse projeto, a gente consegue realizar, incentivar e fomentar o investimento na cidade; contribui com a expansão, modernização das atividades econômicas no município, e eu acho um projeto que vai permitir que a iniciativa privada possa investir na cidade e assim ter os seus impostos abatidos”, analisou Welberth.

O vereador falou ainda sobre o papel do Legislativo no processo, uma preocupação colocada pelo próprio prefeito dentro do texto da lei, que deve passar pelas comissões da Câmara antes de chegar à pauta de votações.

“Interessante também o controle, que passa por esta Casa. A empresa vai fazer a colocação, vai pedir à prefeitura para protocolar o pedido de qual obra ela deseja realizar. Vai passar por um crivo primeiro do Poder Executivo e depois por essa Casa. Então teremos total controle sobre as obras que vão ser feitas”, concluiu o deputado estadual eleito.

O presidente da Câmara, Dr. Eduardo Cardoso (PPS), foi outro que elogiou o projeto, lembrando que para ser contemplada pelo projeto, a empresa envia o projeto da obra que quer realizar, com previsão de orçamento e é em cima dessa previsão que a prefeitura retornará o pagamento através de isenção fiscal, não sendo possível que se faça aditivos que aumentem os gastos das obras.


 

Mais lidas do mês