Mídias Sociais

Política

Prefeitura de Macaé pede que servidores dentro da população de risco do coronavírus se ausentem do trabalho

Avatar

Publicado

em

 

A Prefeitura de Macaé informou nesta segunda-feira, 16, que os servidores com mais de 60 anos, as gestantes e os portadores de doenças autoimunes e doenças oncológicas devem se ausentar dos seus postos de trabalho pelo período de 15 dias.

De acordo com o município, a relação nominal desses servidores será entregue à Secretaria Adjunta de Recursos Humanos ainda nesta segunda. A medida se deve ao fato de que, conforme explicou o prefeito Dr. Aluizio (PSDB) na última sexta-feira, 13, em entrevista coletiva na Secretaria de Saúde, idosos, gestantes e portadores de doenças autoimunes e oncológicas serem considerados pelos órgãos de saúde como a população de risco do coronavírus.

No último sábado, 14, após acatar a indicação de um decreto do governador, Wilson Witzel (PSC), e também suspender as aulas das redes pública e privada de Educação até o próximo dia 28 de março, a prefeitura revelou uma estimativa de que cerca de 100 mil pessoas serão integradas à estratégia de prevenção ao contágio da doença em Macaé.

“Apesar do município ainda não registrar nenhum caso confirmado de contaminação, a prefeitura segue o protocolo instituído pelo Governo do Estado, que também suspendeu as aulas na rede pública a partir desta segunda-feira”, revelou a prefeitura.

Na manhã desta segunda, a Secretária de Saúde de Macaé, Deusilane Galiza reforçou que o município segue sem casos confirmados da doença, mas revelou que o número de casos suspeitos subiu de 6 para 10 desde sexta-feira.

A suspensão das aulas em toda a rede pública e privada foi adotada ainda na noite de sexta, e publicada por diversos outros prefeitos dos municípios fluminenses no sábado, seguindo o decreto estadual e paralisando aulas e outros eventos culturais para evitar aglomeração de pessoas.

Segundo o município, em uma reunião realizada no sábado com diretores de escolas das redes pública e privada, Dr. Aluizio reiterou que a medida segue um dos principais protocolos criados pela sociedade médica mundial, de evitar a disseminação do coronavírus através da aglomeração de pessoas.

“Só dá certo se as pessoas não contraírem o vírus. E só e possível evitar a transmissão local, que as pessoas contagiem uma às outras, evitando as aglomerações”, ressaltou o prefeito em nota divulgada no sábado.

Com os primeiros casos registrados de contaminação local no Brasil, Dr. Aluizio explicou ainda que a confirmação da circulação do vírus também no Estado do Rio de Janeiro reforçou a necessidade de se adotar medidas que previnam o contágio do coronavírus.

“Já existe o vírus circulando entre nós, com a transmissão local aqui no Rio. E só existe uma forma de combater, evitando a aglomeração de pessoas. Não há motivo para pânico, mas cada um precisa se conscientizar que vivemos uma situação de alerta e que precisamos cuidar das pessoas, especialmente dos idosos, que é o público mais vulnerável”, reiterou Dr. Aluizio.

Além do prefeito, participaram da reunião o secretário de Educação e vereador licenciado, Guto Garcia (MDB); e os secretários adjuntos de Relações Institucionais, Léo Gomes; além de representantes do Centro Educacional Mariza Curvelo (CEMAC), do Centro Educacional Reyder, do Colégio Aprovado, do Colégio Atlântico, da Creche Monteiro Lobato, e da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE).

Neste domingo, 15, o Estado do Rio confirmou o 1º caso de paciente com coronavírus em estado gravíssimo. De acordo com informações divulgadas pelo portal G1, trata-se de um homem na faixa dos 60 anos internado em um hospital da rede privada.

“O sistema respiratório [está] comprometido. [O paciente] já está entubado, gravíssimo”, afirmou o governador Wilson Witzel na noite deste domingo, ao G1.

Nesta segunda, a Secretaria Estadual de Saúde do Rio confirmou que o paciente em estado gravíssimo é um médico de 65 anos que apresentou sintomas de febre, tosse e dificuldades respiratórias no último dia 11 de março, e que não teve histórico de viagens nos 14 dias anteriores ao início dos sintomas, nem contato direito com casos confirmados da doença.

Este seria o 2º caso de paciente em estado grave no país, depois do caso de uma mulher no Distrito Federal. Segundo o Governo do Rio, o Estado conta com 25 casos confirmados da doença, a 95 casos suspeitos.

No Brasil, o número de casos confirmados já chegou a 200, com 1.913 casos suspeitos. Mas apesar do número ainda baixo em comparação com outros países do mundo, o Brasil deve ficar atento aos avanços da doença, já que, de acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, informações do Banco Central dão conta de que o contágio do coronavírus no país seria mais veloz do que em outros países, superando até a China, país do 1º caso registrado da doença no mundo.

Mais lidas da semana