Mídias Sociais

Política

Prefeitura de Campos estuda reforma que não deve mexer nos salários dos secretários

Avatar

Publicado

em

 

Cargos comissionados extintos na reforma seriam apenas os que não foram nomeados

Tunan Teixeira

 

Faz tempo que circula em Campos dos Goytacazes a sugestão para que a prefeitura siga os passos de Macaé e promova uma reforma administrativa nos quadros do funcionalismo do governo municipal.

Tal como na Capital Nacional do Petróleo, a medida é vista como fundamental para enxugar os gastos públicos, que vêm crescendo a medida em que caem sequencialmente os números da arrecadação municipal, em decorrência, entre outras coisas, da crise internacional o petróleo que derrubou os valores dos repasses dos royalties.

Porém, segundo o site da revista Viu!, a prefeitura parece pretender apenas extinguir cargos comissionados vagos, mas já não teria o mesmo interesse em reduzir altos os considerados salários de secretários.

Desde que assumiu o governo municipal, em janeiro deste ano, o atual Prefeito Rafael Diniz (PPS) já teria nomeado 1.150 pessoas em cargos comissionados, os chamados DAS, a Prefeitura de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, pretende extinguir até 30% dessas funções.

A medida faria parte de uma reforma administrativa que não extinguiria os cargos que já estão preenchidos, mas acabaria com os cargos para os quais não houve nomeações.

Segundo o Secretário de Governo, Fábio Bastos, o organograma administrativo dispõe de 1.815 cargos.

Mesmo com tantas nomeações feitas no atual governo, o secretário diz que o governo da ex-prefeita Rosinha Garotinho (PR) chegou a ter 1.608 pessoas nomeadas nos cargos políticos.

“Estamos com 508 cargos a menos”, se defendeu o secretário.

De acordo com a Viu!, a reforma está em estudos na Comissão Especial de Gestão Governamental criada pelo prefeito, mas passa ao largo do tema mais polêmico neste debate, que seria a pressão de setores da comunidade para a redução dos altos salários dos cargos comissionados na administração direta, autarquias e no legislativo.

A revista diz também que um secretário de primeiro escalão em Campos ganharia R$ 10.500, numa cidade em que o salário médio na iniciativa privada é de 2 mil reais, e o maior salário é de 6 mil reais, piso, por exemplo, de um gerente de banco, enquanto que o maior salário na administração é o do prefeito, que está em torno de 18 mil reais.

Sobre os cargos comissionados, o Secretário Fábio Bastos, revelou que o prefeito deverá fazer mais nomeações, mas frisou que devem ser apenas substituições aos funcionários que já estão em serviço, e não preenchimento de novos cargos.

“As nomeações que estão ocorrendo a partir de agora, são em substituições a outras, não são novos cargos. Em outros casos, são nomeações que ainda não haviam saído por pendência de documentação”, disse por meio de entrevista publicada no site da prefeitura.

Mais lidas da semana