Mídias Sociais

Política

Prefeito de Macaé tem papel importante em discussão no Rio sobre royalties dos campos maduros

Avatar

Publicado

em

 

Ao centro, Prefeito de Macaé, Dr. Aluízio (PMDB), foi mediador de mesa redonda de seminário sobre redução da alíquota de royalties de campos maduros da Bacia de Campos

Em seminário da Fundação Getúlio Vargas sobre a alíquota dos royalties em campos maduros, realizado no Rio de Janeiro na última segunda-feira, 28, e que reuniu diversas autoridades sobre o assunto, o Prefeito de Macaé, Dr. Aluízio (PMDB), voltou a defender a medida e explicar como ela vai gerar benefício para a economia do estado.

“O assunto foi bem conceituado durante o evento [seminário]. A redução de royalties em campos maduros promoveria uma geração de empregos quase que imediata, com novas contratações em todos os setores, sejam nas plataformas, nos serviços, na hotelaria. Enfim, em toda cadeia produtiva. A perspectiva é a melhor possível”, avaliou Dr. Aluizio após o evento.

O prefeito foi mediador de uma mesa redonda intitulada com o slogan de uma campanha criada por ele em Macaé, chamada “Menos royalties, mais empregos”, embora o presidente da Petrobras, Pedro Parentes, tenha declarado diversas vezes que com a redução, não haverá menos royalties e sim mais, já que, sem a redução, não haverá investimentos, e com isso, não haverá royalties.

O evento foi aberto por Adriano Pires, especialista em combustíveis e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), que, em seguida, deu lugar a uma apresentação do Prefeito de Macaé, que reforçou a importância do evento em definir investimentos em campos maduros.

“Essa é uma pauta que não pode ser escanteada pela indústria do petróleo e pelo governo. Depois de 40 anos a indústria não sabe para onde vai. Temos 15% de demitidos/desocupados no Estado do Rio de Janeiro e uma queda no volume de investimentos na exploração e produção. A trajetória é declinante na produção da Bacia de Campos e, se não houver novos investimentos, não há nada que pare essa curva. Daí a importância em se investir na Bacia de Campos”, detalhou Dr. Aluízio.

A discussão é sobre a retomada dos investimentos no setor de óleo e gás, realidade possível com a proposta de redução da taxa de royalties de 10% para 5% nos campos maduros da Bacia de Campos.

No próximo dia 29 de junho o assunto volta a ser tema de Audiência Pública realizada pela ANP, também no Rio de Janeiro, em evento que tem como objetivo regulamentar o procedimento para conceder, a pedido do operador e, desde que comprovado o benefício econômico para a União, o incentivo de redução de royalties para até 5% sobre a produção incremental de campos maduros.

O Prefeito de Macaé acredita que, em julho, a resolução seja regulamentada, e reforça a importância do setor na economia nacional e estadual, lembrando que a indústria de petróleo é responsável por 12% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e por 30% do PIB do Estado do Rio.

“O mais importante hoje é a população brasileira que precisa e clama por voltar a trabalhar. Se não investirmos em campos maduros, vamos amargar o pior dessa crise que é o desemprego. Na Fazenda Santo Estevão, no Recôncavo Baiano, a redução dos royalties na curva incremental foi o suficiente para alavancar a indústria do petróleo. Se a gente consegue fazer no Recôncavo Baiano, por quê não consegue fazer na Bacia de Campos? Então está tudo pronto. O enfrentamento é mínimo. Retroceder nesse momento vai ser um passo trágico na história da indústria do petróleo e, mais ainda, na história do Rio de Janeiro e na história do Brasil”, concluiu Dr. Aluízio.

A mesa redonda, mediada pelo prefeito, contou com a participação de João Vicente de Carvalho Vieira, secretário de Petróleo, Gás e Biocombustível do Ministério das Minas e Energia (MME); Dirceu Amorelli, Diretor da ANP; Bruno Eustáquio de Carvalho, diretor PPI da Presidência da República; e Sérgio Augusto Coelho, consultor de Políticas Energéticas da Prefeitura de Macaé.

Mais lidas da semana