Mídias Sociais

Política

Prefeito de Macaé reúne imprensa e explica decreto sobre o coronavírus publicado nesta sexta-feira, 13

Avatar

Publicado

em

 

Em entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira, 13, o prefeito de Macaé, Dr. Aluizio (PSDB), respondeu à jornalistas da cidade e da região sobre o decreto da prefeitura com orientações e determinações sobre o coronavírus.

De forma muita tranquila e didática, marca de suas interações com a imprensa, Dr. Aluizio rechaçou qualquer possibilidade de fake news e teorias da conspiração que têm se propagado nas redes sociais, lembrando que todos os dados a respeito da doença, em todo o mundo, são públicos.

“Em primeiro lugar, é preciso observar as informações. Não são suposições, são fatos. Esse decreto se baseia em fatos. As informações estão aí, para todo mundo que quiser ver. É público. No mundo todo. A estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que, entre 40% e 70% de toda a população mundial venha a ser infectada pelo coronavírus. Dessas pessoas infectadas, 20% podem chegar a complicações e estados graves. E desses 20%, 7% podem chegar a óbito. Não tem achismo. São informações. É com fatos que a gente trabalha. Não tem história. Isso é tudo verdade. Não existe tendência da prefeitura ou de qualquer órgão de saúde no mundo a ocultar as informações. Com esses números, a preocupação mundial hoje é com a prevenção. E assim também a nossa”, iniciou Dr. Aluizio.

No encontro, realizado na sede da Secretaria de Saúde, o prefeito explicou a importância das medidas do decreto, como a suspensão de cirurgias eletivas na rede pública municipal de Saúde, e também o porquê de aulas da rede pública municipal de Educação não terem sido suspensas, além de fornecer orientações à população.

Segundo ele, as cirurgias eletivas, ou seja, as que não são de urgência, podem esperar 45 dias, com exceção das cirurgias oncológicas. As medidas não são para causar pânico na população, e sim, preparar a rede pública de Saúde para receber possíveis casos da doença que exijam maiores cuidados.

“Estão suspensas as cirurgias eletivas, aquelas que não têm urgência. Nossa prioridade agora são as cirurgias oncológicas. Se o paciente tem uma cirurgia eletiva marcada para daqui a 20 ou 30 dias, pode esperar 45 dias. Essa medida permite que a rede pública municipal de Saúde tenha mais leitos abertos para atender possíveis casos mais graves do coronavírus que venham a aparecer na nossa cidade. A previsão do Ministério da Saúde é de que, no Brasil, os casos devam aumentar muito nos próximos 14 dias, e continuarão subindo dentro de 30 dias. E o Estado do Rio é considerado um dos mais frágeis da Federação. Então o que nós estamos fazendo é, em primeiro lugar, prevenir, e depois, nos preparar para atender a população, porque os casos vão chegar. O que a gente pode fazer é prevenir para diminuir os riscos e estar preparados”, avaliou o prefeito.

Sobre a decisão de manter o funcionamento das unidades da rede pública municipal de Educação, com o prosseguimento das aulas, Dr. Aluizio ressaltou que o número de casos em crianças é baixo em todo o mundo, e vai aumentando em idades mais elevadas, até chegar aos mais propensos, que são os idosos a partir dos 60 anos, faixa etária onde está o maior número de fatalidades em decorrência da doença.

De acordo com o prefeito, as crianças continuarão frequentando as aulas normalmente, mas os profissionais da rede pública municipal de Educação farão acompanhamento de alguns procedimentos, como lavar as mãos, pelo menos 3 vezes ao dia, dentro das escolas.

“As aulas estão mantidas. Ah, mas por quê? Porque em primeiro lugar, o risco é menor nas crianças. É a faixa etária com menor número de casos. O risco aumenta conforme a idade vai subindo até chegar nos idosos, que são a nossa maior preocupação. Se a criança não tem aula, ela fica em casa, com um cuidador ou, muitas vezes, com um idoso, um avô, uma avó, e eles são a nossa maior preocupação. Então as aulas continuam. Quando as crianças descerem dos transportes, elas lavarão as mãos, todas elas, e farão a higienização, com álcool 70%. Isso será feito com o auxílio dos professores, pelo menos, 3 vezes ao dia, na chegada, antes das refeições, e na saída. Hoje são 42 mil crianças matriculadas. Somando os pais, são 120 mil pessoas. Nossa maior arma contra o coronavírus é a prevenção e a prevenção é feita através de boa informação. A gente não trabalha com intuição. Estamos trabalhando com evidências e dados concretos. Então não vamos suspender as aulas”, justificou o prefeito.

Por fim, o prefeito também orientou a população a evitar lugares com grandes quantidades de pessoas, revelando que tem buscado do diálogo com a rede hoteleira, os restaurantes e o setor de óleo e gás, entre outros setores da cidade, para tentar propor medidas para evitar a aglomeração de pessoas.

“Não queremos com esse decreto mexer dentro das casas das pessoas. Impedir as pessoas de irem aonde elas querem ou precisam. As consultas vão continuar acontecendo. Os remédios da farmácia, estamos vendo uma maneira de aumentar a receita, de 30 para 60 dias, para que as pessoas não fiquem sem os remédios, mas também não precisem sair tanto de suas casas. O encontro para discutir o uso medicinal da cannabis, que eu seria o 1º a chegar, vai ser adiado; as provas do processo seletivo de estágio remunerado, vai ser adiada; tudo que não é fundamental, vai ter postergado por 45 dias. O que estamos fazendo é tentar evitar tudo que pode ser evitado. Não podemos nos omitir e esperar para tratar depois que as pessoas já estiverem com a doença”, conclui Dr. Aluizio, reforçando que a cidade está preparada para cuidar da sua população, mas não de toda a região.

Ao todo, são 137 casos confirmados em todo o Brasil, com mais de 1.400 casos suspeitos. Desses casos confirmados, 16 estão no Estado do Rio de Janeiro, mas nenhum, até a manhã desta sexta-feira, 13, confirmado na região.

A Prefeitura de Macaé, que já havia anunciado ter descartado 3 casos suspeitos, informou, porém, que ainda tem outros 6 casos suspeitos sob investigação , aguardando resultados de exames, mas reforçou que, até o momento, a cidade ainda não tem casos de coronavírus.

Mais lidas da semana