Mídias Sociais

Política

Possível troca de cargos por apoio político e articulações visando eleições de 2022 movimentam governo Witzel

Avatar

Publicado

em

 

Enquanto informações de colunistas de jornais da capital fluminense dão conta que o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC) tenta buscar aumentar o apoio ao seu governo, através da velha negociação de cargos, crescem também as notícias de o ex-juiz já pensa nas próximas eleições gerais, em 2022.

E para isso, estaria flertando com o partido dos ex-prefeitos do Rio, Eduardo Paes (DEM) e César Maia (DEM), e do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM), aumentando as especulações de que pode estar pavimentando sua saída da legenda do pastor Everaldo Dias (PSC).

Segundo informações publicadas pelo site Viu!, Witzel estaria falando sobre uma possível disputa presidencial em 2022, embora já tenha dito que só concorrerá ao Planalto se o presidente Jair Bolsonaro (PSL) não tentar a reeleição.

Durante as finais do Campeonato Carioca, disputada entre Flamengo e Vasco, no Maracanã, Witzel esteve na companhia do juiz da 7ª Vara Federal Criminal, Marcelo Bretas, responsável pelo julgamento dos processos da Lava Jato no Estado do Rio, e que sonha disputar a Prefeitura do Rio no ano que vem.

De acordo com a colunista Berenice Seara, do jornal Extra, as articulações políticas de Witzel também acontecem dentro da esfera estadual, com a crescente possibilidade de mudanças em sua administração para angariar apoio político na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj).

O alvo da mudança seria o comando da Secretaria de Transportes, hoje a cargo do brigadeiro Robson Fernandes Lima, que daria lugar a Delmo Manuel Pinho, que foi subsecretário de Energia na gestão de Rosinha Garotinho (PATRIOTA) e subsecretário de Transportes nas administrações de Pezão (MDB) e Sérgio Cabral (MDB).

A mudança seria para atrair o PP, que tem 2 deputados estaduais, além de tentar uma aproximação com o ex-vice-governador Francisco Dornelles (PP), cacique do partido com ascendência no diretório nacional, e que poderia facilitar uma possível candidatura de Witzel ao Planalto no futuro.

De acordo com a jornalista, que assina a coluna Extra, Extra, na última sexta-feira, 3, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Lucas Tristão, teria se encontrado com Dornelles, presidente do PP-RJ, na Fundação Getúlio Vargas, em Botafogo, na capital fluminense, embora Tristão tenha negado que tenha conversado sobre o ingresso do PP no governo.

“Dornelles e eu falamos sobre os rumos do governo pensando na composição, mas em nenhum momento falamos sobre cargos. Se o PP vier a ficar com a Secretaria de Transportes, não será por um movimento meu”, afirmou Tristão à coluna do Extra.

Aliado de longa data de Witzel e um dos principais articuladores do governo, Tristão também já se reuniu com Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, e nos bastidores, comenta-se que Witzel tenta fomentar um caminho para a disputa a presidência em 2022. Outros partidos também pleiteiam participação no governo Witzel. Entre eles, o PSD, que tem 4 deputados na Alerj, entre eles o macaense Chico Machado (PSD).

Apesar de apostar que a mudança no comando da pasta dos Transportes será oficializada nos próximos dias, nem toda secretaria ficaria debaixo das asas do PP, deixando alguns setores a serem preenchidos por outros partidos que venham a compor a base governista no Legislativo.

Mais lidas do mês