Mídias Sociais

Política

Pesquisa de site de desconto no Brasil aponta país como 2º em número de assinantes de streaming no mundo

Publicado

em

 

Queridinhos dos brasileiros ainda desde o início da pandemia do coronavírus, que teve seu 1º caso registrado no Brasil em 26 de fevereiro de 2020, os streamings bombaram durante os confinamentos impostos por vários estados e municípios do país quando a vacinação ainda era só um sonho distante e os casos e mortes não paravam de subir.

E de acordo com um estudo realizado pelo site Cupom Válido, plataforma nacional descontos em várias lojas pelo país, os streamings são realmente queridos pelo Brasil, o 2º país do mundo com mais assinantes, contando apenas a Netflix, o Amazon Prime Video, o Disney+ e a Apple TV+.

É o que aponta o estudo da Cupom Válido, que compilou dados da empresa alemã Statista, especializada em mercado e consumidores, e pelo site alemão JustWatch, que aponta em quais streamings estão filmes e séries procuradores pelos espectadores.

Com dados de antes da chegada da HBO Max e do Star+, que estrearam no Brasil, respectivamente, em junho e agosto desse ano, o estudo mostra que quando o assunto é assinante de streamings, os brasileiros só ficam atrás do norte-americanos.

De acordo com o estudo, os Estados Unidos (EUA) são o país com mais assinantes de streamings no planeta levando em consideração apenas assinantes do Disney+, da Netflix, do Amazon Prime Video e da Apple TV+, com 67 milhões de assinantes.

Os brasileiros aparecem em seguida, com 18 milhões de assinantes, superando os britânicos (13 milhões), alemães (11 milhões), franceses e mexicanos (8 milhões), canadenses (7 milhões), australianos (6 milhões, e argentinos e japoneses (5 milhões).

Vale lembrar que, com a pandemia, a receita da grande maioria dos negócios caiu significativamente, diferente do que aconteceu com a indústria farmacêutica, os bancos, e streamings como a Netflix, que teve forte crescimento, num valor de mais de 47% em 2020, totalizando mais de 2,7 bilhões de dólares.

Pioneira no serviço, a Netflix segue como a plataforma de streaming mais usada no mundo, com 53,5% do total de usuários, com mais de 36 milhões de novos assinantes em 2020, e ultrapassando a marca de 200 milhões de assinantes no mundo, de acordo com o estudo.

Na 2ª posição aparece, curiosamente, a opção Outros, com 13,1%, seguida do Amazon Prime Video (12,6%), do Hulu (6,3%), da Apple TV+ (3,9%), da HBO Max (3,6%) e do Disney+ (3,6%), lembrando que, até setembro deste ano, o Hulu era um streaming exclusivo dos EUA.

Por aqui, a Netflix segue disparada a queridinha dos brasileiros, com 31% quando o assunto são streamings mais usados no país. A empresa famosa pelo som de abertura de seus programas é seguida pelo Amazon Prime Video (24%), pelo Disney+ (12%), pela Globoplay e pela opção Outros (8%), pelo extinto HBO GO (7%), pelo Telecine Play (6%), e pela Claro Vídeos (4%).

Curiosamente, conforme a velocidade que as empresas se agitam no tabuleiro do mercado de streamings, com novas fusões e lançamentos, os dados ganharam um ar de defasados, já que o HBO GO foi extinto, dando lugar à HBO Max, e que o Globoplay anunciou que que vai incorporar o catálogo do Telecine Play, o que deve trazer novidades no ranking nacional.

Com relação ao preço, praticamente todas as plataformas trabalham com várias categorias de assinaturas, tentando oferecer mais vantagens aos seus clientes, com opções que variam desde mais básicas até mais completas.

No Brasil, as diferenças vão desde a qualidade do vídeo, até a quantidade de dispositivos com acesso simultâneo, com os preços dos planos mais básicos variando entre os R$ 9,90 do Amazon Prime Video e da Apple TV+, e os R$ 32,90 do Star+.

Caso queira assinar todos os streamings disponíveis por aqui, o ficcionado em séries e filmes (ou em esportes, como nos casos do Star+ e da HBO Max), teria também as opções, ainda nos planos mais básicos, da MGM (R$ 14,90), do Noggin (R$ 9,50), e da Love Nature (R$ 9,90), todos pelo serviço Prime Channels do Amazon Prime Video; além do Paramount+ (R$ 19,90), da Crunchyroll (R$ 25), do Globoplay (R$ 22,90), da Funimation (R$ 24,90), da HBO Max (R$ 19,90 no plano mobile e R$ 27,90 no plano multitelas); do Disney+ (R$ 27,90), do Looke (R$ 16,90), da Netflix (R$ 25,90), e do Youtube Premium (R$ 20,90), e do Starzplay (R$ 14,90).

Mais lidas da semana