Mídias Sociais

Cidades

Mais de 88% das urnas que serão usadas no Estado do Rio já estão prontas

Avatar

Publicado

em

 

No próximo domingo, 2 de outubro, milhões de eleitores irão às urnas em todo Brasil para escolher seus prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Nas cidades da Região dos Lagos e do Norte Fluminense, serão 678.762 eleitores escolhendo 11 prefeitos e 11 vices, e 131 vereadores, entre 2.421 candidatos.

“Para que todos possam votar com tranquilidade e segurança, a Justiça Eleitoral trabalha intensamente para deixar tudo pronto no dia do pleito”, garante o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que já está preparando as urnas eletrônicas que serão utilizadas nestas eleições municipais em todo país.

No Estado do Rio de Janeiro, que tem 92 municípios, 88,07% delas já estão já estão carregadas com os dados dos eleitores e também dos candidatos, como nome, partido, foto, cargo para o qual concorrem e número.

Esse procedimento, chamado de carga das urnas eletrônicas, é de responsabilidade dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) de cada Estado, e já foi finalizado em alguns estados, como Acre, Alagoas, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Roraima e Santa Catarina.

Além do Rio de Janeiro, outros estão estados bem próximos de finalizar o processo, como Rio Grande do Sul (99%), Mato Grosso (98,49%), Rio Grande do Norte (93,24%), Paraíba (91,13%), Pernambuco (87,43%), Rondônia (87%), Piauí (84,60%) e Pará (84,03%).

 

Urnas de contingência – De acordo com o TSE, serão utilizadas 550 mil urnas eletrônicas nestas eleições municipais, sendo que destas, 48.844 são de contingência, isto é, estarão à disposição da Justiça Eleitoral caso algum equipamento precise ser substituído durante o processo de votação.

O Estado do Rio é o 5º com o maior número de urnas de contingências, somando 3.233 urnas, atrás de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Santa Catarina. Além dessas, outras 4.842 urnas vão ser utilizadas nas mesas receptoras de justificativa, para atender aqueles eleitores que estarão fora dos seus domicílios eleitorais e não poderão votar.

 

Procedimento de carga – O TSE explica que a carga ou preparação das urnas eletrônicas deve ser feita em sessão pública, com prévia convocação dos fiscais dos partidos e coligações para a assistirem e procederem aos atos de fiscalização.

“Após a geração de mídias, ocorre o procedimento de carga, que significa transferir para as urnas os dados inseridos nos cartões de memória. As memórias de votação ficam em compartimento lacrado na urna e guardam as informações da votação. Por fim, a memória de resultado é aquela na qual, após o fechamento da seção, é gravado o resultado da votação e enviado para a totalização”, revela o TSE.

Além de partidos e coligações, o Ministério Público e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também podem participar do processo de observação das cargas de dados dos equipamentos, processo este que marca o fechamento do sistema de registro de candidaturas.

O TSE esclarece ainda que, de acordo com a legislação, “irão para as urnas os dados dos candidatos com os registros deferidos e também os indeferidos com recurso, pois até a decisão final do processo, estes ainda estão aptos a fazer campanha”, mas podem ter seus votos não computados caso tenham parecer desfavorável da Justiça.

Tunan Teixeira

Mais lidas da semana