Mídias Sociais


Política

Macaé segue com testagem para coronavírus em 6 unidades de saúde do município, sendo duas na serra

Publicado

em

 

Mesmo com os avanços na vacinação e a flexibilização do uso máscaras na cidade, a Prefeitura de Macaé continua com a testagem para diagnóstico de casos suspeitos de coronavírus nas unidades de urgência da rede pública municipal de saúde do município.

Segundo a prefeitura, os exames de antígeno, aqueles em que se usam cotonetes, seguem sendo aplicados em pacientes que apresentam sintomas de síndrome gripal no período de 2 a 6 dias, forma de prevenir o contágio da doença.

Os testes estão disponíveis nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da Barra de Macaé e do Lagomar, nos Prontos Socorros da Imbetiba e do Parque Aeroporto, na Unidade Mista do Sana, e no Hospital Público Municipal da Serra (HPMS), em Trapiche.

“A testagem também segue como estratégia de mapeamento epidemiológico para identificação do novo cenário da pandemia. Atualmente, Macaé segue em situação de risco baixo (bandeira verde) no índice de contágio da doença”, explicou o município.

De acordo com dados do Covidímetro, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a cidade também mantém a menor taxa de letalidade por coronavírus no Estado, o que permite que as medidas de prevenção ao contágio da doença possam ser flexibilizadas, mas a atenção das unidades permanece.

Segundo o setor de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria de Saúde de Macaé, o município não registra óbito por coronavírus desde o último dia 6 de março, mantendo ainda taxa 0 na ocupação de leitos de Centro de Tratamento Intensivo (CTI) para casos graves da doença.

“Enfrentamos também um cenário de circulação de outras doenças virais, como gripe influenza e dengue. Por isso, é importante que as pessoas que apresentam os sintomas característicos como febre, coriza, perda de olfato e paladar, além de dores de cabeça e pelo corpo, que procure a unidade de Saúde para fazer o teste e realizar, em caso positivo, o isolamento o quanto antes”, alerta a coordenadora de Vigilância em Saúde, Elenice Sales.

Mais lidas da semana