Mídias Sociais

Política

Leilão do Aeroporto de Macaé volta a ser tema de debate em encontro com empresa interessada

Publicado

em

 

Representantes da Associação Comercial e Industrial de Macaé (ACIM), da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e da prefeitura se reuniram com representantes da empresa Zurich Airport, interessada em conhecer o aeroporto e a cidade

Previsto para acontecer ainda este ano, o leilão do bloco Sudeste, que inclui os aeroportos de Macaé e Vitória, capital do Espírito Santo, despertou o interesse da Zurich Airport, gestora dos aeroportos de Florianópolis, em Santa Catarina, e Confins, em Minas Gerais.

Nesta quarta-feira, 3, o consultor da Prefeitura de Macaé, Hélio Batista, participou de reunião com representantes da empresa, da Associação Comercial e Industrial de Macaé (ACIM) e da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), além de empresários da cidade.

Segundo Hélio contou ao site da prefeitura, o processo de licitação do Aeroporto de Macaé está em análise no Tribunal de Contas da União (TCU) e a expectativa é que seja aprovado ainda em 2018 para realização do leilão.

Ainda conforme o governo municipal, durante o encontro, foram apresentadas as características do aeroporto que, atualmente, já conta com novo terminal de passageiros e estacionamento, além da reforma da pista para voos comerciais em andamento, com previsão de entrega para dezembro deste ano e operação a partir do primeiro trimestre de 2019.

A vocação para o turismo de negócios também foi destacada, principalmente, a resolução, de setembro de 2018, da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que reduz a cobrança de royalties sobre a produção incremental dos campos chamados maduros.

A medida, que deve trazer novos investimentos para a Bacia de Campos, foi defendida pelo Prefeito de Macaé, Dr. Aluízio (sem partido), em audiências públicas realizadas sobre o tema, chegando a gerar uma campanha na cidade, batizada de “Menos Royalties, Mais Empregos”, apoiado, inclusive pela Petrobras.

Segundo a prefeitura, as potencialidades da cidade para o turismo ecológico também foram abordadas no encontro.

Com as belezas naturais que envolvem serra, mar e lagoas, a cidade de Macaé, além da forte presença da indústria offshore, possui a 2ª maior rede hoteleira do Estado, atrás apenas da capital, com cerca de 10 mil leitos.

Sobre as obras de reforma da pista do aeroporto, que começaram em junho deste ano, a prefeitura reforçou que os trabalhos seguem dentro do cronograma e têm prazo de 390 dias para conclusão, prevista para agosto de 2019.

“Recentemente, a primeira fase das intervenções foi concluída parcialmente com a operacionalização de 430 metros de pista para pouso e decolagem somente de helicópteros até 16,20 metros de comprimento. As obras vão ampliar a referência de resistência da pista para ATR 72, permitindo o pouso e decolagem de voos comerciais. O investimento do governo federal é da ordem de 24 milhões de reais”, ressaltou o governo municipal.

A preocupação com a adequação da pista para receber aeronaves modelo ATR 72 se intensificou em 2015, quando a Azul Linhas Aéreas, então concessionária dos voos comerciais de passageiros no Aeroporto de Macaé, anunciou a retirada de circulação das aeronaves ATR 42, sob a justificativa de modernizar a frota, e substituição pelos modelos ATR 72.

Juntamente com a duplicação da BR-101, a retomada dos voos comerciais de passageiros pelo Aeroporto de Macaé é apontada como os principais fatores para trazer o desenvolvimento econômico do município e da região.


 

Mais lidas do mês