Mídias Sociais

Política

Hospitais de Campanha do Governo do Rio devem ser inaugurados até o próximo dia 22 de maio

Avatar

Publicado

em

 

Próxima do colapso devido à crescente alta de casos confirmados do novo coronavírus e a quase que ocupação total dos leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), a rede de Saúde do Estado do Rio contará com mais 1.300 leitos em hospitais de campanha.

A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 11, pelo secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, durante reunião por videoconferência com deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) e representantes da Associação Estadual de Municípios do Rio de Janeiro (AEMERJ).

De acordo com o secretário, todos os 1.300 novos leitos estarão disponíveis para a população até o próximo dia 22 deste mês, em hospitais de campanha instalados em diferentes pontos do Estado, mas a maioria da capital ou no Grande Rio, com poucas ofertas de leitos para o interior.

Segundo Edmar Santos, o Estado já recebeu 150 respiradores do Governo Federal e 300 milhões de reais em recursos destinados ao combate do avanço da pandemia do novo coronavírus, que já causou a morte de mais de 1,7 pessoas só no Estado do Rio, e mais de 11,6 em todo o país, segundo dados das secretarias estaduais de Saúde atualizados na manhã desta terça-feira, 12.

O secretário de Saúde do Rio explicou que, dos 300 milhões de reais destinados ao combate do coronavírus, 100 milhões de reais foram destinados diretamente para a Secretaria Estadual de Saúde, e os outros 200 milhões de reais destinados aos municípios.

“Precisamos frisar que a rede estadual está suprida com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e medicamentos. Um remédio ou outro pode estar faltando devido há algum entrave de processo, mas isso é muito pontual. Ressalto também que temos informação de que já há recursos humanos para todos esses leitos. Porém, não posso deixar de frisar que é impossível atingir o número necessário de camas para todos os pacientes devido à dimensão desse vírus. Estamos lidando com uma Tsunami”, comparou Edmar Santos, citando os violentos maremotos.

O secretário afirmou ainda que pretende solicitar leitos privados e que espera uma apresentação de planilha de custo das enfermarias destes hospitais para estimar o custo de complementação à tabela Sistema Único de Saúde (SUS).

Porém, no que depender de informações recentes sobre a rede privada de Saúde do Rio, os leitos podem não ser suficientes, já que os hospitais particulares do Estado teriam ultrapassado os 90% de ocupação dos leitos de UTI.

Os números foram confirmados nesta terça-feira pela Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), que representa 122 entidades no país, mas reitera que não possui dados de todos os 4 mil hospitais privados em todo o Brasil.

Apesar da amostragem relativamente pequena, segundo uma projeção feita ao portal G1 pelo médico Dr. Graccho Alvim, diretor da Associação de Hospitais do Estado do Rio de Janeiro (AHERJ), que calcula que o número de casos no Rio vai dobrar até o final do mês, a rede pública de Saúde do Estado entrará em colapso em até 15 dias.

“Considerando a taxa de incidência diária de novos casos, a taxa de contágio e dias necessários para dobrar o número de casos, presumimos um colapso do sistema privado em poucas semanas”, disse o Dr. Alvim ao G1, no último domingo, acrescentando que “tal qual na rede pública, também haverá insuficiência de leitos nos hospitais particulares. E sem alternativas para internação destes pacientes, é muito provável que o Rio de Janeiro necessitará contratar leitos nas cidades próximas e as operadoras de planos de saúde, precisarão montar uma rede de apoio intermunicipal e até interestadual, para descomprimir a carência de leitos e evitar um colapso total no sistema de saúde”.

Durante a reunião virtual com deputados e representantes da AEMERJ, o secretário de Saúde do Estado do Rio esclareceu também que, para construir os 7 hospitais de campanha, comprar equipamentos e medicamentos, serão investidos recursos na ordem de 770 milhões de reais, valor que será utilizado pelas unidades por até 6 meses, com gasto proporcional ao tempo de uso, como previsto em contrato.

A previsão inicial do Governo do Estado era para a inauguração de um total de 8 hospitais de campanha, sendo 2 na cidade do Rio, 1 em Duque de Caxias, 1 em São Gonçalo, 1 em Nova Iguaçu, 1 em Campos dos Goytacazes, 1 em Casimiro de Abreu, e 1 um Nova Friburgo.

Nesta segunda-feira, 11, a reportagem do Bom Dia Rio, programa matinal da afiliada da TV Globo na região, teria visitado o canteiro de obras do hospital de campanha que começou a ser erguido em Casimiro de Abreu, aproveitando a estrutura do Hospital Gélio Alves Faria, mas as obras estariam paralisadas.

Em Campos dos Goytacazes, onde a previsão inicial era de entrega das obras no último dia 30 de abril, a construção do hospital de campanha segue acontecendo no pátio da antiga Vasa, no centro da cidade, e a previsão para o início do funcionamento da unidade estaria dentro do mesmo cronograma apresentado pelo secretário na reunião por videoconferência com a Alerj.

Questionado sobre a ampliação do isolamento social ampliado pelo governador Wilson Witzel (PSC), Edmar Santos destacou que é o preciso reduzir em 70% a circulação das pessoas para conseguir achatar a curva que segue crescente tanto no Estado do Rio quanto no país.

“Precisamos manter as pessoas em casa. O pico deve ocorrer entre a 3ª e 4ª semana do mês de maio. Não sabemos se vai ter um decréscimo depois desse pico ou se ele vai atingir um platô, como aconteceu nos Estados Unidos [da América, EUA], mas o importante é entender que agora precisamos manter o isolamento”, reforçou o secretário, que confirmou que para cada paciente diagnosticado com coronavírus, existem 15 casos que não são confirmados.

Representando a Alerj, estiveram presentes na reunião os deputados estaduais Marcelo do Seu Dino (PSL), Luiz Paulo (PSDB), Rodrigo Amorim (PSL), Carlo Caiado (DEM), Sergio Louback (PSC), Enfermeira Rejane (PCdoB), Eliomar Coelho (PSOL), Rosane Félix (PSD), Lucinha (PSDB), Martha Rocha (PDT), Ferreirinha (PSB), Jair Bittencourt (PP), Alexandre Freitas (NOVO), Waldeck Carneiro (PT), Renata Souza (PSOL), Flávio Serafini (PSOL), Rosenverg Reis (MDB), Monica Francisco (PSOL), Jorge Felippe Neto (PSD) e Márcio Pacheco (PSC).

Clique Diário

E. L. Mídia Editora Ltda
CNPJ: 09.298.880/0001-07
Redação: Avenida Atlântica, 2.500, sala 22 – Cavaleiros – Macaé/RJ

cliquediario@gmail.com
(22) 2765-7353

Mais lidas da semana