Mídias Sociais

Política

Governo de Campos dos Goytacazes tem 22 milhões de reais em recursos bloqueados pela Justiça

Avatar

Publicado

em

 

Procurador-Geral do Município, José Paes Neto, explicou decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJ-TJ), que pode aumentar a crise financeira do município de Campos

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJ-RJ) determinou o bloqueio de 22 milhões de reais na conta da Prefeitura de Campos, referente ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM), aumentando a grave crise financeira enfrentada pela administração municipal.

O valor corresponde à parte da dívida dos precatórios judiciais devidos pelo município, em 2016 e anos anteriores, que totaliza 68 milhões de reais. Além do bloqueio, a decisão estipula que, mensalmente, a prefeitura ainda terá que desembolsar 1,5 milhões de reais em pagamento desta mesma dívida até o ano de 2020.

Segundo levantando feito pelo jornal Terceira Via, com dados da própria Prefeitura de Campos, seriam mais 18 milhões de reais por ano a serem pagos pelo governo municipal em parcelamento de precatórios.

De acordo com o procurador geral do município, José Paes Neto, com a decisão, todo o planejamento de gestão, que convive com dificuldades, inclusive, para o pagamento de salários de servidores, terá que ser revisto.

“Desde o início do ano passado, diante do cenário que encontramos, estamos trabalhando com planejamento a curto prazo. E agora, com mais esta decisão, teremos que novamente fazer uma revisão. Com certeza isso vai impactar nos atendimentos básicos e na retomada de obras. Mais uma vez, o passado assombra o presente e o futuro do município”, analisou o procurador.

Ainda segundo José Paes Neto, a situação pode se agravar ainda mais, caso o repasse do FPM não totalize os 22 milhões de reais e haja decisão para bloqueio de outras receitas.

“Aí poderá haver bloqueio de repasse de royalties do petróleo, participação especial e até ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços)”, prevê o procurador.

Para entender melhor a situação, precatórios são requisições expedidas pelo Poder Judiciário para cobrar o pagamento de valores devidos após condenações judiciais definitivas.

Os 68 milhões de reais devidos pelo governo de Campos se referem principalmente a questões trabalhistas, em processos movidos por servidores públicos, e contestações sobre valores de desapropriações de imóveis ocorridas em administrações passadas.

“Esta dívida se acumulou porque os valores devidos não foram pagos regularmente pelas gestões anteriores. Somente em 2016, o valor foi de 11 milhões de reais e somente 2 milhões foram pagos. Quando o Prefeito Rafael Diniz (PPS) assumiu a prefeitura, em [1 de] janeiro de 2017, o valor dos precatórios já ultrapassava 60 milhões de reais. A prefeitura vinha negociando com o Tribunal uma maneira de parcelar esta dívida em mais vezes, levando em conta a dificuldade financeira do município, mas esta negociação não teve êxito. E agora a situação se agravou”, detalhou José Paes Neto.

Além da dívida com os precatórios, a Prefeitura de Campos já pagou cerca de 90 milhões de reais relativos a um empréstimo junto à Caixa Econômica Federal em 2016, que comprometeu 1,3 bilhões de reais da arrecadação municipal.

A atual gestão também paga todo mês 4 milhões de reais ao Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Campos (PreviCampos), fruto da negociação por uma dívida de 180 milhões de reais deixada pelo governo passado.

Mais lidas da semana