Mídias Sociais

Política

Futuro presidente da Petrobras indicado pelo governo Bolsonaro é defensor da privatização da estatal

Avatar

Publicado

em

 

Em artigo publicado pelo jornal Folha de São Paulo, em junho deste ano, Roberto Castello Branco (na foto) defendeu a transferência do capital da empresa estatal para a iniciativa privada

A Petrobras anunciou suas primeiras mudanças antes mesmo da mudança de governo, com a posse do novo presidente, em 1 de janeiro de 2019. Trata-se da dispensa de Ivan de Souza Monteiro do cargo de presidente da companhia.

Segundo nota da empresa, a dispensa do agora ex-presidente se dará no próximo dia de 31, data em que Ivan Monteiro também renunciará à posição de Conselheiro de Administração da Petrobras.

A Companhia informou que o Conselho nomeou Roberto Castello Branco como novo presidente e também para o cargo de Conselheiro de Administração a partir de 1 de janeiro, até a próxima Assembleia Geral de Acionistas.

Roberto Castello Branco foi indicado ao cargo pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, segundo nota divulgada pelo Congresso em Foco, do site UOL, no último dia 19 de novembro.

O economista que comandará a maior empresa brasileira do setor do petróleo é apontado como tendo um perfil liberal, assim como Paulo Guedes, e recentemente, defendeu em artigo para o jornal Folha de São Paulo, a privatização da Petrobras.

O artigo para a Folha, publicado em 2 de junho, criticava ainda a intervenção promovida pelo governo Michel Temer (MDB) para reduzir o preço do óleo diesel, numa tentativa de colocar fim à greve dos caminhoneiros, que causou enormes prejuízos ao abastecimento nacional.

A reportagem da Congresso em Foco lembra ainda que, durante sua campanha, o futuro presidente, Jair Bolsonaro (PSL), disse ser contrário à privatização da Petrobras, mas seu futuro ministro da Economia, já defendeu a transferência integral do capital da companhia para a iniciativa privada, o que a indicação de Castello Branco pode ajudar a pavimentar.

Mais mudanças – A Petrobras acrescentou que o Conselho dispensou também Nelson Luiz Costa Silva do cargo de Diretor Executivo de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão; e Jorge Celestino Ramos do cargo de Diretor Executivo de Refino e Gás Natural.

“Solange da Silva Guedes, Diretora Executiva de Exploração e Produção, e Eberaldo de Almeida Neto, Diretor Executivo de Assuntos Corporativos, ocuparão interinamente essas posições, respectivamente, sem prejuízo de suas funções atuais, pelo prazo de 90 dias ou até que o Conselho delibere sobre novos diretores executivos”, revelou a estatal.

Ainda segundo a Petrobras, a indicação de Roberto Castello Branco foi objeto de análise prévia pelo Comitê de Indicação, Remuneração e Sucessão do Conselho de Administração da empresa, que pesou o currículo do novo presidente.

Novo presidente – Roberto Castello Branco é graduado em economia, com doutorado na Fundação Getulio Vargas (FGV EPGE) e pós-doutorado na University of Chicago, dos Estados Unidos (EUA), além de ter participado de programas de treinamento executivo da Sloan School of Management, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), e do International Institute for Management Development (IMD), todos dos EUA.

Roberto Castello Branco também professor afiliado da EPGE (FGV), atuando ainda como diretor do Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento Econômico dessa instituição, alé de já ter sido diretor na Vale S.A., no Banco Central do Brasil, no Banco Boavista, no Banco Boavista Investimentos e no Banco InterAtlântico, sendo membro do Conselho de Administração da Petrobras entre maio de 2015 e abril de 2016, do GRU Airport e Invepar, assim como do Conselho Diretor da Associação Brasileira de Companhias Abertas (ABRASCA), diretor da Câmara Americana de Comércio do Rio, e membro do Conselho de Administração do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF) e do Conselho Curador da FGV.

O novo gestor da estatal brasileira de petróleo e gás foi ainda presidente do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores, presidente executivo do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), e vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil-Canadá, tendo publicado artigos em revistas acadêmicas e jornais de grande circulação e sido palestrante em conferências realizadas no Brasil e no exterior, em países como EUA, Reino Unido, Canadá, China, Cingapura e Austrália, além de ser autor do livro “Crescimento acelerado e o mercado de trabalho: a experiência Brasileira”.

Por fim, a Petrobras agradeceu o “importante trabalho de Ivan de Souza Monteiro desde sua chegada em 2015, assim como as contribuições dos diretores Nelson Luiz Costa Silva e Jorge Celestino Ramos” e deu às boas-vindas ao novo presidente.


 

Mais lidas do mês