Mídias Sociais

Política

Empresa celebra chegada de últimos equipamentos de grande porte para termelétrica no Porto do Açu

Avatar

Publicado

em

 

A Gás Natural Açu (GNA), concluiu o recebimento dos últimos equipamentos de grande porte que farão parte da ilha de potência da Usina Termelétrica GNA I, que está sendo construída no Porto do Açu, em São João da Barra.

A GNA é uma joint venture entre a Prumo Logística, a BP, e a Siemens. Para quem não está familiarizado com o termo, joint venture é uma associação econômica entre duas ou mais empresas, que podem ou não ser do mesmo ramo, durante um período específico e limitado.

Fornecidos pela Siemens, os equipamentos chegaram ao Brasil pelo Terminal Multicargas, no Porto do Açu, vindos da Alemanha e dos Estados Unidos, conforme revelou a própria GNA nesta sexta-feira, 12.

De acordo com a GNA, os equipamentos permitirão o fechamento do ciclo combinado da térmica, ou seja, a geração de mais de energia sem utilização de gás natural adicional, contribuindo para a eficiência energética do parque termelétrico.

“As obras civis da GNA I estão praticamente concluídas. Iniciamos a fase de montagem eletromecânica depois que todos equipamentos de grande porte foram entregues no site. O próximo passo é o início do comissionamento da térmica, previsto para o primeiro semestre do ano que vem”, contou o diretor de implantação da GNA, Carlos Baldi.

Além da usina termelétrica, o projeto da GNA 1, que tem previsão para iniciar a operação em janeiro de 2021, consiste ainda em um terminal de regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL), uma linha de transmissão e uma subestação.

Diretor da área de Services & Digitalization, EPC Power Generation da Siemens no Brasil, Armando Juliani comemorou a chegada desses equipamentos ao Porto do Açu, considerando um avanço em direção à conclusão do projeto.

“Estamos muito felizes em dar mais esse passo na conclusão de um projeto tão importante como esse, que além da implantação dos equipamentos, também contempla a prestação de serviços de longo prazo para operação e manutenção da usina”, avaliou Armando Juliani.

Além da GNA I, a companhia anunciou que irá construir a outra Usina Termelétrica, a GNA II, e a expectativa é de que as duas juntas sejam suficiente para atender cerca de 14 milhões de residências, número que pode mais que dobrar graças à licença ambiental que a GNA tem para dobrar sua capacidade instalada.

Mais lidas da semana