Mídias Sociais

Política

Em seu retorno à Câmara, vereador Dr. Luiz Fernando ressalta importância do desenvolvimento da agricultura macaense

Publicado

em

 

Em sua 1ª sessão ordinária, na manhã desta quarta-feira, 11, o vereador Dr. Luiz Fernando (CIDADANIA) marcou seu retorno à Câmara Municipal de Macaé com uma breve apresentação de seu trabalho à frente da Secretaria de Agroeconomia, na qual esteve à frente desde o início da atual gestão, em 2021.

Entre as medidas tomadas na sua gestão, estão a prioridade da reforma do antigo CEASA da Barra de Macaé, para que ele volte a ser licitado, e a reforma do Parque de Exposições, além de fomentar o desenvolvimento da agricultura familiar para atender a merenda escolar da rede pública municipal de ensino.

“Encontrei também, no antigo CEASA, 3 famílias, que foi necessário montar-se um processo de remoção, com assistentes sociais, com a [Secretaria Adjunta de] Habitação, para remover aquelas famílias dali. E antes de sair da pasta, aquelas famílias já estão devidamente abrigadas em seu devido local, para que possamos abrir as portas ali”, contou Dr. Luiz Fernando.

O vereador, 18º mais votado nas eleições de 2020, que deixou o antigo mandato em 2019 e assumiu a Secretaria de Agroeconomia na atual gestão, no início de 2021, volta à Casa 7 meses depois para assumir a cadeira deixada pelo atual secretário da Casa Civil, Luciano Diniz (CIDADANIA).

O parlamentar reforçou os desafios encontrados em sua gestão na pasta, lembrando as dificuldades enfrentadas pelos pequenos produtores e as famílias da agricultura familiar do município, principalmente para atender as demandas da merenda escolar, já que, com o avanço da vacinação contra o coronavírus, a prefeitura estuda como promover o retorno das aulas presenciais no município.

“Foi também desarquivado o processo da chamada de preço para a compra da merenda escolar das famílias da agricultura familiar, que estava num momento de pandemia, e se a gente não acelerasse o processo, ia haver o retorno das aulas [presenciais] e a gente não iria conseguir fornecer”, revelou Dr. Luiz Fernando.

O ex-secretário falou ainda sobre o trabalho feito para reaver um convênio entre a prefeitura e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), do governo federal, além de reforçar a importância de regularizar a posse de terras dos trabalhadores da agricultura familiar, ressaltando as dificuldades do homem do campo e o papel do Executivo em fomentar o desenvolvimento desse setor.

“E as pessoas do campo, o homem do campo, que hoje é responsável para colocar o pão de cada dia em nossas mesas, também são responsáveis pela grande parcela da venda da merenda escolar do nosso município. Em 2019, a agricultura familiar forneceu para a merenda escolar do município de Macaé 1,9 milhão de reais. É um fornecimento muito representativo para essa classe, essa categoria. Sendo que 1,5 milhão foi por agricultores do nosso município, e 400 mil reais para [Nova] Friburgo, Campos [dos Goytacazes] e Quissamã, fechando assim 1,9 milhões. Hoje, essa verba específica para a merenda escolar da agricultura familiar está em torno de 4 milhões. Acredito que o Guto Garcia confirme isso. Aproximadamente 4 milhões. E hoje nós não temos ainda esse volume todo, de capacidade do nosso pequeno agricultor e assentado de fornecer esse volume todo. Então isso, como município, como administração pública, temos que investir cada vez mais para que possam avançar e dar dignidade a esse homem do campo, que é um lutador, que tem todas as dificuldade, e necessita de imediato de apoio do poder público. O poder público tem que estar mais próximo do homem do campo, abrindo suas estradas para escoar sua produção, e a Secretaria de Agroeconomia para fazer a sua parte, com técnicos agrícolas, com agrônomos, acompanhando todo o trabalho que tem que ser feito, porque não basta você chegar e preparar o solo. O solo está em condição para plantio, para receber aquela semente? Tem que ver a análise da semente, a qualidade dela, tem que analisar o solo, ver se precisa de calcário ou de adubo, um trabalho muito minucioso”, defendeu Dr. Luiz Fernando.

Mais lidas da semana