Mídias Sociais

Política

Eleitores do Rio de Janeiro poderão votar em 2 candidatos ao Senado em outubro

Publicado

em

 

Plenária do Senado Federal pode estar renovada no próximo mandato, já que duas das 3 cadeiras de cada estado e do Distrito Federal estarão em disputa nas eleições de outubro deste ano

No próximo dia 7 de outubro, quando se iniciar o primeiro das eleições gerais deste ano, os eleitores terão que ficar atentos quando a urna oferecer a opção para o voto para senador, pois, neste ano, serão dois votos para o Senado Federal.

Único cargo eletivo com mandato de 8 anos estabelecido na Constituição Federal, o cargo no Senado pode confundir os eleitores desatentos nessas eleições. Quem faz o alerta é a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), órgão oficial do governo federal.

Segundo a EBC, diferentemente das eleições de 2014, quando os eleitores puderam votar em apenas um nome para o Senado, neste ano, duas das 3 vagas a que cada estado e o Distrito Federal têm direito, estarão em disputa.

Nestas eleições, 15 candidatos concorrem pelo Estado do Rio de Janeiro, e, até a tarde desta segunda-feira, 27, todos ainda aguardavam julgamento sobre seus pedidos de registro de candidatura visando o pleito de outubro.

Com apenas um representante da região na disputa, José Bonifácio (PDT), de Cabo Frio, os eleitores do estado também terão como opções, Arolde de Oliveira (PSD), Aspásia (PSDB), Cesar Maia (DEM), Chico Alencar (PSOL), Cyro Garcia (PSTU), Fernando Fagundes Ribeiro (PCO), Flávio Bolsonaro (PSL), Lindbergh (PT), Marta Barçante (PCB), Mattos Nascimento (PRTB), Miro Teixeira (REDE), Pastor Everaldo (PSC), Samantha Guedes (PSTU), e Eduardo Lopes (PRB).

O “voto duplo” acontece porque, alternadamente, um terço (1/3), ou seja, 27 vagas e, dois terços (2/3), 54 vagas, são colocadas em disputa a cada 4 anos. Como 27 vagas estavam em disputa em 2014, desta vez, serão 54 vagas no pleito.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou à EBC, os dois votos têm pesos iguais, e não existe prioridade em razão do eleitor votar primeiro em um e depois em outro candidato.

Outro ponto importante, segundo a Justiça Eleitoral, é que não é possível votar duas vezes no mesmo candidato, mas nesse caso, o segundo voto é automaticamente anulado, sem prejudicar as demais votações.

Como a ordem de votação não importa no resultado final, o candidato que obtiver o maior número de votos na primeira e na segunda opção somadas será eleito, assim como o segundo candidato mais votado.

As eleições para o Senado são majoritárias, assim como para a presidência e para os governos estaduais, diferindo das chamadas eleições proporcionais, para deputados estaduais e federais. É bom lembrar, porém, que para o Senado, não há possibilidade de segundo turno.

Além dos representantes para esses cargos, no dia 7 de outubro, os eleitores brasileiros também escolherão o próximo presidente da república, governadores, e deputados federais e estaduais, ou, no caso do Distrito Federal, deputados distritais.


 

Mais lidas do mês