Mídias Sociais

Política

De nome novo, MDB estaria negociando apoio a Eduardo Paes na disputa pelo Governo do Rio

Publicado

em

 

Da esquerda para a direita, Vinicius Farah, Max Lemos e André Lazaroni vão concorrer ao Legislativo e MDB não terá candidatos ao Governo do Estado do Rio, segundo colunista de jornal carioca

Os mistérios envolvendo o nome do MDB para concorrer ao Governo do Estado do Rio de Janeiro nas eleições de outubro deste ano parecem ter chegado ao fim nesta segunda-feira, 18, segundo a jornalista Berenice Seara, do jornal Extra, do Rio.

O partido, que esteve entre os nomes do deputado André Lazaroni e dos ex-prefeitos de Quimados, Max Lemos, e de Três Rio, Vinicius Farah, estaria agora negociando para apoiar seu ex-integrante, Eduardo Paes (DEM), que deixou o MDB justamente para poder concorrer à chefia do Executivo Estadual.

Segundo informações publicadas na coluna Extra, Extra, o deputado deve mesmo continuar candidato a renovar seu lugar na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), mesmo destino de Max Lemos.

Já Farah, que recentemente deixou a presidência do Departamento de Trânsito do Estado do Rio (Detran-RJ), deve vi candidato a uma vaga na Câmara Federal ou no Senado, reforçando a posição do MDB em Brasília.

Ainda de acordo com a jornalista, Paes, que ainda não confirmou oficialmente sua candidatura, estaria, ao lado do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), costurando uma coligação grande, entre DEM, MDB, PP, PTB e SDD.

Berenice adianta ainda que a exigência dos partidos para fechar o apoio à candidatura de Eduardo Paes ao governo do estado teria sido a formação de uma grande coligação para deputado federal, ou seja, a criação do famoso “chapão”, já que para muitos candidatos, a sobrevivência depende dos votos de outras legendas na eleição proporcional.

Outra movimentação anunciada pela jornalista carioca nesta segunda-feira, foi a confirmação de que o PR, ex-partido do ex-governador do Rio, Anthony Garotinho (PRP), vai mesmo lançar candidato ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual do Rio.

O escolhido teria sido o deputado federal Marcelo Delaroli (PR), que vinha tentando viabilizar o próprio nome para a disputa. Em reunião do diretório estadual do partido, ele foi oficializado como pré-candidato da sigla que, com preciosos 5m30s entre inserções e tempo de horário eleitoral gratuito TV, recebeu afagos de muitos lados.

A colunista do Extra diz ainda que  o PR teria tentando alianças com Indio da Costa (PSD), Romário (PODE) e com o próprio DEM, de Paes, mas deve mesmo fechar uma aliança nacional com o PSL, do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ).


 

Mais lidas do mês