Mídias Sociais

Política

Crise política em Casimiro de Abreu se agrava com prisão decretada de ex-prefeito e afastamento de 3 vereadores

Avatar

Publicado

em

 

Prefeitura e Câmara Municipal de Casimiro de Abreu são alvos de investigações do Ministério Público do Estado do Rio após denúncia de compra de votos em votação das contas do exercício de 2016

O clima político em Casimiro de Abreu está fervendo desde que o vereador Neném da Barbearia (MDB) denunciou um esquema para a compra de votos em votação das contas de 2016 do ex-prefeito, Antônio Marcos (PSC), pela Câmara Municipal.

Na última sexta-feira, 20, o ex-prefeito acabou com a prisão temporária decretada pela Justiça, deflagrando a Operação Os Bastidores, realizada pelo Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ), que investiga o caso.

Como se diz no popular, porém, a denúncia de Neném “espirrou” para todos os lados. Além do ex-prefeito, acusado de extorsão, associação criminosa e tráfico de influência, crimes que teria cometido para eleger a presidência da Câmara, a operação culminou com o afastamento dos vereadores Rafael Jardim (PSB), Bruno Miranda (PSB), e o próprio Neném.

As ações foram determinadas pelo MP-RJ, por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo Macaé e da Promotoria de Justiça de Casimiro de Abreu, que decidiram ainda por mandados de busca e apreensão em endereços ligados também ao atual prefeito de Casimiro, Paulo Dames (PSB) e ao empresário Wender Veloso Pereira, mais conhecido como Careca do Gás.

As investigações começaram depois das denúncias apresentadas por Neném da Barbearia, de que ele teria sido procurado por Bruno e Careca, que teriam oferecido até 100 mil reais para que o vereador do MDB faltasse à sessão que votaria as contas de Antônio Marcos, que acabaram aprovadas pela Câmara no dia 11 de abril deste ano.

O denunciante acabou afastado, juntamente com Bruno e Rafael, por 180 dias, porque o MP-RJ entendeu como suspeita a demora de cerca de 2 meses de Neném em denunciar a tentativa de compra de votos dos vereadores governistas.

Se os afastamentos não forem revistos até o início de agosto, quando termina o recesso parlamentar de meio de ano na Câmara de Casimiro, o Legislativo deve ser presidido pelo vereador Bitó (PSC), vice-presidente da Casa.

Entre os alvos das ações de busca e apreensão estariam ainda a residência de Rodrigo Barros, que administra a página Os Bastidores, no Facebook, a quem Neném teria entregue cópias dos áudios publicados na rede social na última semana.

Mais lidas da semana