Mídias Sociais

Política

CPI dos Royalties da Alerj permitiu aumento de arrecadação de 2,7 bilhões de reais ao Estado do Rio em 2021

Publicado

em

 

Criada para investigar irregularidades nos valores de royalties que a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) repassou ao Estado do Rio, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj), permitiu o aumento de arrecadação de 2,7 bilhões de reais ao governo estadual em 2021.

O aumento de arrecadação teria se dado graças um convênio entre a ANP e a Secretaria Estadual de Fazenda, em junho do ano passado, mediado pela chamada CPI dos Royalties entre o órgão federal e a pasta estadual.

Presidida pelo deputado estadual Luiz Paulo (PSD), que elaborou uma nota técnica sobre os resultados de aumento de arrecadação de royalties e participações especiais, a CPI dos Royalties possibilitou que a ANP e a Secretaria Estadual de Fazenda passassem a trabalhar de forma conjunta na fiscalização dos abatimentos feitos pelas empresas petroleiras, reduzindo a incidência de descontos considerados indevidos.

“Além de maior controle dessa contabilidade, o Estado passou a contar com a previsibilidade desses recursos, podendo estimar quanto e quando vai recebê-los”, acrescentou a Alerj.

Instalada em fevereiro do ano passado, a CPI dos Royalties foi uma iniciativa dos deputados estaduais, Luiz Paulo e André Ceciliano (PT), presidente da Alerj, que proporcionou todo apoio aos trabalhos de investigação dos parlamentares.

A CPI estima que, até 2030, o Estado arrecade 25 bilhões de reais com o aumento das fiscalizações dos repasses, sendo 20 bilhões de reais referentes ao que deixou de ser arrecadado nos últimos 10 anos.

“A CPI destampou uma ‘Caixa de Pandora’ e o Estado do Rio de Janeiro pode recuperar até 2030 mais de 25 bilhões de reais. Foram 9 meses de investigação sobre os abatimentos absurdos das participações especiais referentes aos afretamentos contratados no exterior, as depreciações e as provisões para abandono”, declarou Luiz Paulo.

Sobre a nota técnica, a Alerj explicou que o documento comparou os 4 trimestres dos anos de 2018 e 2021, demonstrando que 2018 foi ideal para realizar o cotejamento, uma vez que se evidenciou um processo de recuperação das receitas brutas com a produção de petróleo nos campos produtores do Estado, além desse ser um período anterior à pandemia do coronavírus.

“Para a apuração de dados foi levado em conta o preço médio do barril do petróleo (brent), a cotação do dólar, a produção média de petróleo, e a arrecadação das receitas compensatórias de participação especial”, concluiu a Alerj.

Mais lidas da semana