Mídias Sociais

Política

Corrida eleitoral para sucessão presidencial já tem 15 nomes oficializados

Publicado

em

 

Disputa por vaga no Palácio do Planalto, nome oficial do local de trabalho do presidente da república, já tem 15 nomes oficializados, e mais nomes podem surgir até agosto, quando se encerra o prazo para se candidatar

Faltando 6 meses para as eleições presidenciais, realizadas no próximo mês de outubro, pelo menos 15 nomes já oficializaram suas pré-candidaturas. E mais nomes devem surgir nos próximos meses, já que dois dos maiores partidos do país, PT e PMDB, seguem sem anunciar seus candidatos.

Mais uma pré-candidatura pode ser oficializada nas próximas semanas, a do PSB, onde o nome do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, é apontado como favorito dentro do partido.

PT e PMDB ainda não definiram seus quadros, mas prometeram apresentar um candidato nos próximos meses aos eleitores, pois a decisão final deve ser tomada até o início de agosto, quando termina o prazo para cada partido definir as candidaturas nas convenções.

Dentre os concorrentes ao pleito, há ex-presidentes, senadores, deputados, ex-ministros e até um ex-ministro do STF. Até a manhã desta segunda-feira, 9, já haviam sido oficializados os nomes dos senadores, Álvaro Dias (PODE-SP) e Fernando Collor (PTC-AL); do ex-ministro, Ciro Gomes (PDT); do atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB); do líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos (PSOL); do deputado federal, Jair Bolsonaro (PSL-RJ); do  empresário, João Amoêdo (NOVO); da deputada estadual, Manuela D’Ávila (PCdoB-RS); e do presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ); além de José Maria Eymael (PSDC); Levy Fidelix (PRTB); Marina Silva (REDE); Paulo Rabello de Castro (PSC); João Vicente Goulart (PPL); e Vera Lúcia (PSTU).

No PMDB, a expectativa é pela apresentação de um nome depois de 24 anos sem candidatos à presidência. Os nomes mais cotados seriam o do próprio presidente Michel Temer, que tem a pior popularidade de um presidente da história, e do ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que na semana passada, se filou ao partido, e foi exonerado da pasta na última sexta-feira, 6.

Já o PT, vencedor das últimas 4 eleições, pode ficar sem seu pré-candidato, depois da prisão do ex-presidente Lula, no último sábado, 7, mesmo antes de se esgotarem os recursos da defesa junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

A esperança do PT e de Lula se baseia em tese de aliados, que defendem que o ex-presidente recorra ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em busca de uma autorização para se candidatar, já que a Lei da Ficha Limpa prevê a impugnação das candidaturas de políticos condenados em segundo grau da Justiça.

Outros nomes cotados dentro do partido são do ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, e o do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, além da possibilidade de o partido optar por apoiar a candidatura de outro partido da esquerda, como Boulos ou Manuela, ou até mesmo Ciro Gomes, que já teve seu nome especulado como possível vice de Lula.


 

Mais lidas do mês