Mídias Sociais

Política

Contas de 2017 da prefeitura aprovadas, emendas da LOA 2019 e Conselho de Comunicação agitam a Câmara de Macaé nesta semana

Publicado

em

 

Vereadores debateram questões importantes para a cidade durante as duas sessões ordinárias desta semana na Câmara Municipal

A Câmara Municipal de Macaé aprovou, nesta terça-feira, 4, as contas do Prefeito Dr. Aluízio (sem partido) referentes ao exercício de 2017, com o apertado placar de 9 votos favoráveis e 7 contrários, seguindo o parecer favorável do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ).

Na sessão desta quarta-feira, 5, entraram em tramitação as emendas ao projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2019, lidas no expediente. Em seguida, os parlamentares receberam representantes de um coletivo de jornalistas para debater o projeto de lei que cria o Conselho Municipal dos Profissionais de Comunicação de Macaé (CMPCM).

Os jornalistas Tathiana Campolina e Gerson Dudus aproveitaram o espaço do Grande Expediente cedido pela Câmara para defender o projeto, de autoria do vereador Marcel Silvano (PT), e que vem causando muita polêmica entre profissionais da imprensa da cidade.

Os jornalistas responderam perguntas dos vereadores, provocando um momento curioso, já que tanto o líder da bancada governista, Julinho do Aeroporto (MDB), quanto o líder de oposição, Maxwell Vaz (SD), já se posicionaram favoráveis a criação do Conselho.

“É preciso que tenhamos essa responsabilidade e esse entendimento na proposta do vereador. O projeto está aqui. Nós vamos avaliar. Eu tenho que nessa audiência pública, haverá um grande debate, mas eu não vejo motivo nenhum para se posicionar contrário à criação de um Conselho. Espero que com a criação do Conselho, o Conselho possa realmente tomar suas ações e fazer as coisas acontecerem, porque se briga muito para a criação de um Conselho e depois o Conselho acaba deixando de se posicionar”, defendeu Julinho, que parabenizou o autor, vereador da oposição.

Maxwell falou sobre a criação dos Conselhos como forma de oferecer maior transparência para as políticas públicas, e questionou a possibilidade de o CMPCM indicar a destinação de verbas públicas.

“Está na proposta. Na verdade, o Conselho sugere instrumentos de transparência e democratização do uso das verbas públicas destinadas às ações de comunicação social. Sugere. É isso que está aqui no projeto. Eu não sei de onde tiraram essa perspectiva de que [o CMPCM] indicaria, ou seja lá o que for, que ia dizer quanto que ia para quem, quanto iria para não sei quem. Não é isso que está aqui”, respondeu Gerson Dudus, esclarecendo o vereador.

Por fim, o presidente da Câmara, Dr. Eduardo Cardoso (PPS), sugeriu a inserção de um representante do Legislativo como membro do Conselho, e ressaltou que a audiência pública ainda poderá acrescentar muito ao debate, ajudando a esclarecer quaisquer dúvidas a respeito do texto proposto no projeto.


 

Mais lidas do mês