Mídias Sociais

Destaque

Aeroporto de Macaé pode estar perto de ser concedido à iniciativa privada

Avatar

Publicado

em

 

Medida do governo federal pode trazer os investimentos necessários para as obras de reestruturação da pista

 

Tunan Teixeira

 

Uma grande novidade para a cidade de Macaé pode estar bem perto de virar realidade. Nesta sexta-feira, o Jornal O Globo revelou que o aeroporto de Macaé pode ser envolvido em um leilão que pretende conceder a administração de aeroportos brasileiros para a iniciativa privada.

A informação teria sido dada pelo próprio Ministro dos Transportes, Maurício Quintella (PR), que, segundo a publicação, teria dito que há um “indicativo forte” de que o governo vai conceder à iniciativa privada, em 2018, o aeroporto Santos Dumont, na cidade do Rio, e, no pacote, estariam incluídos outros aeroportos, entre eles o de Macaé.

A medida, se concretizada, pode ser uma das soluções para os problemas da pista de pouso e decolagem do aeroporto, que parou de receber voos comerciais de passageiros em 2015, depois que a Azul Linhas Aéreas retirou de sua frota as aeronaves modelos ATR 42 pelos modelos ATR 72, usados por outras empresas no mercado de aviação nacional e internacional para voos domésticos de menor porte.

Os modelos antigos, mais leves, tinham capacidade para 48 passageiros, enquanto que os novos modelos, mais pesados, transportavam 70 passageiros. O peso, inclusive, foi o motivo alegado pela Azul Linhas Aéreas, na época, para suspender os voos comerciais de passageiros no aeroporto macaense, o que foi um duro golpe, juntamente com a crise internacional, para a logística da indústria do petróleo na cidade.

O aeroporto, que passou desde então a ser o alvo da prefeitura e de outros políticos e da Federação das Indústria do Estado do Rio (Firjan) na cidade, faria parte de um pacote, que além do Santos Dumont, envolveria também os aeroportos de Jacarepaguá, no Rio; da Pampulha, em Belo Horizonte; e do Espírito Santo.

A ideia do governo federal é incluir aeroportos menores nesses pacotes como contrapeso nas negociações, que forçariam a iniciativa privada a promover as melhorias que a União não encontra orçamento para realizar, como é o caso do aeroporto de Macaé, que precisa de uma reforma estrutural na pista de pouso e decolagem para se adequar às aeronaves usadas no mercado.

Segundo fontes do governo, a ideia é que, quem vencer o leilão do Santos Dumont também deve levar os outros aeroportos no pacote. E de acordo com O Globo, o martelo sobre a decisão final pode ser batido já nesta segunda-feira, 7.

“Há um indicativo forte de que o governo encaminhará para concessão os aeroportos do Santos Dumont e de Macaé, dois ativos muito importantes que gerarão outorga e investimentos no Estado do Rio”, afirmou Mauricio Quintella, ao jornal.

Ainda de acordo com a reportagem, o governo pretende licitar o Santos Dumont até junho de 2018, com a expectativa de arrecadar, com a concessão à iniciativa provada, cerca de 2 bilhões de reais.

Com movimento de 9 milhões de passageiros em 2016, o Santos Dumont é o 2ª ativo mais valioso da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), depois de Congonhas, em São Paulo, que registrou 20,81 milhões de passageiros em 2016.

O jornal acredita que, por isso, a concessão do aeroporto paulistano ficaria para outro momento, já que arrecadaria o dobro do valor do terminal do Rio, de acordo com uma fonte do próprio governo federal.

A matéria diz ainda que os recursos seriam suficientes para cobrir todos os investimentos e as despesas que o governo teria caso resolvesse posteriormente acabar com a Infraero, cujos funcionários teriam estabilidade no emprego até 2021.

Como parte de um pacote de medidas para ajudar o Estado do Rio, o Ministro dos Transportes também anunciou hoje a assinatura de um termo de compromisso, já em setembro, de três aeroportos fluminenses, Angra dos Reis, Itaperuna e Resende.

Conforme a reportagem, o ministro também teria anunciado a apresentação do novo sócio do aeroporto do Galeão, no Rio, o fundo chinês HNA, que comprou a fatia da Odebrecht no aeroporto.

Foto: Tadeu Mouzer

Mais lidas da semana