Mídias Sociais

Polícia

Onda de violência torna urgente discussão de nova escala da guarda de Macaé

Publicado

em

 

Expectativa é que a mudança na escala possa aumentar a quantidade de guardas nas ruas

No último final de semana Macaé presenciou momentos de terror com ao menos 7 assassinatos que de acordo com a Polícia Militar estariam ligados à guerra entre facções criminosas vinculadas ao tráfico de drogas. Já no final da tarde dessa quarta-feira(18) moradores fecharam uma avenida da cidade protestando também contra a crescente violência na cidade.
Ocorre que a intensa migração de criminosos da capital para o interior aliada ao sucateamento estrutural das polícias do estado vem fazendo com que os índices de violência na região não parem de subir.
Para se ter uma ideia da dificuldade enfrentada, atualmente o 32º batalhão, cujo o efetivo não chega a 500 agentes, é responsável por cobrir os municípios de Macaé, Rio das Ostras, Casimiro, Quissamã, Carapebus e Conceição de Macabu.
Tendo em vista essa situação, oportunamente, Macaé começou a discutir na Câmara Municipal o Projeto de Lei Complementar (PLC) 012/2017. Trata-se de uma proposta do Executivo para alterar a escala de trabalho dos servidores da Guarda Municipal. Atualmente, a escala de trabalho da categoria é de 24 horas trabalhadas para 96 horas de repouso. Se aprovada, a mudança reduzirá o tempo de descanso para 72 horas. Além dos guardas municipais, o PLC contempla os guardas civis, os agentes de trânsito e os agentes da Defesa Civil.
Apesar de ser responsabilidade do estado a questão da segurança vem sendo tratada com atenção pelo executivo macaense. O município já entregou uma nova sede a Polícia Federal da cidade e está prestes a iniciar a construção de uma delegacia de homicídios regional, além de ter no início do ano ter tomado a polêmica iniciativa de pagar o 13º salário dos policiais que atuam no batalhão que atende a cidade.
A expectativa é que as medidas que estão sendo tomadas, somadas a maior presença de guardas municipais nas ruas, a cidade possa continuar enfrentando a onda de violência que não para de crescer.

Mais lidas da semana